Publicidade

Estado de Minas LEGISLAçãO

Michel Temer sanciona projeto do novo documento de identificação

O modelo da nova identidade unificará cerca de 22 documentos emitidos no Brasil


postado em 11/05/2017 17:00

O presidente Michel Temer sancionou na tarde desta quinta, dia 11 de maio, a lei que institui a Identificação Civil Nacional, criada com o objetivo de unificar os cerca de 22 documentos de identificação usados no Brasil e dificultar a falsificação que, anualmente, gera prejuízos de R$ 60 bilhões. De acordo com o relator do projeto, deputado Júlio Lopes (PP-RJ), apenas passaporte e Carteira Nacional de Habilitação (CNH) não serão substituídos pelo novo documento.

Além de foto, esse documento terá também um cadastro biométrico que está sendo organizado pela Justiça Eleitoral por meio dos registros feitos para o título de eleitor. "Está sendo estudada também a possibilidade de instalarmos algum aparato tecnológico como chip [para dar mais segurança ao documento]", diz o deputado.

Segundo o parlamentar, não será necessária a troca do documento que ainda estiver válido. Entre os vetos ao projeto, está o que garantia a gratuidade da nova identificação. "Foi vetada a gratuidade deste documento, por causa das dificuldades do Brasil de hoje. Mas, a lei foi construída sem a necessidade de troca do documento que ainda estiver válido", acrescenta Júlio Lopes.

Também foi vetado o artigo que dava à Casa da Moeda a exclusividade para a implantação e fornecimento do documento. "Ela, no entanto, participará do fornecimento. Apenas não será feito de forma exclusiva", explica o deputado federal.

Um dos entusiastas do projeto é o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Guilherme Afif Domingues. Ele explica que, com a nova documentação, será possível amenizar os prejuízos causados no país por conta de fraudes por dupla, tripla ou falsidade de identificação. "A tendência é unificar, a partir de mais um número, que englobará os demais referentes aos outros documentos. As pessoas vão entender que este número será o mais confiável para a identificação do cidadão", comenta o empresário.

Segundo ele, primeiramente, será feito um cadastro central e, só depois, ao longo do tempo, a unificação do número. "A previsão inicial era de que concluiremos o cadastro entre os anos de 2020 e 2021", acrescenta o presidente do Sebrae.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade