Ministro do Planejamento diz que economia brasileira está se recuperando

Dyogo Oliveira cita ações do governo e reforma da Previdência como fatores que indicam a melhoria

por Encontro Digital 05/05/2017 14:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Segundo o ministro do Planejamento Dyogo Oliveira, a economia brasileira apresentou sinais de melhora no primeiro trimestre deste ano. Ele afirma que a indicação de recuperação é resultado de ações do governo e do empenho na aprovação de reformas como a da Previdência.

"Estamos num momento em que os dados têm mostrado que há o início da recuperação da economia brasileira no primeiro trimestre o que, a meu ver, é a resposta para o conjunto de ações e de políticas, de propostas de reforma que o governo tomou desde o início do mandato do presidente Michel Temer", diz o ministro em entrevista coletiva concedida nesta sexta, dia 5 de maio.

Questionado por jornalistas sobre a expectativa em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, do primeiro trimestre de 2017, o ministro comenta que ainda não há uma projeção fechada, mas diz que considera boas as perspectivas de crescimento feitas pelo mercado. "Tenho visto o mercado apontando algo em torno de 0,7% e 0,8%, o que me parecem projeções boas", afirma Dyogo Oliveira.

Reforma da Previdência

O ministro esclarece que o governo está confiante na aprovação da reforma da Previdência, que está sendo analisada no Congresso Nacional. Na avaliação de Oliveira, as alterações feitas pela comissão especial da Câmara na proposta de reforma encaminhada pelo governo atenderam as principais demandas dos parlamentares.

"Estamos confiantes de que haverá aprovação ainda mais com esse tempo adicional que permitirá ao Congresso compreender melhor as alterações que foram feitas na proposta e a importância de se fazer essa reforma, a importância para demonstrar que o país tem estabilidade fiscal", comenta Dyogo Oliveira.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários