Publicidade

Estado de Minas CIêNCIA

Vida pode ter surgido na terra e não no oceano

Descoberta na Austrália pode ajudar a mudar a teoria do surgimento da vida em nosso planeta


postado em 10/05/2017 14:18

Cientistas descobriram na Austrália um dos mais antigos vestígios de vida já descobertos na Terra. Os organismos teriam se formado numa região composta por gêiseres há cerca de 3,5 bilhões de anos, segundo um artigo científico publicado na revista Nature Communications.

"A semelhança entre a estrutura da formação rochosa intitulada Dresser [na região de Pilbara, oeste da Austrália] e as rochas dos gêiseres modernos indica que as fontes quentes antigas não eram muito diferentes de suas 'herdeiras' modernas. Algo parecido poderia acontecer em Marte. Temos que concentrar as buscas por vida estudando as sedimentações parecidas na superfície do Planeta Vermelho", diz Tara Djokic, geóloga da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, no artigo sobre a descoberta.

Segundo os cientistas, esses vestígios encontrados na Austrália estão numa região parecida com as fontes quentes e gêiseres do parque Yellowstone, nos Estados Unidos, e em outras áreas com atividade vulcânica no mundo. Com isso, os geólogos acreditam que podemos supor que os gêiseres e as fontes vulcânicas seriam os primeiros refúgios de vida na Terra e também em outros planetas, como Marte, desde que tenham existido as mesmas condições no passado.

Os primeiros organismos vivos que apareceram na Terra surgiram no período arqueano, há 3,85 bilhões de anos, embora não exista um consenso sobre essa data. Existem vestígios fósseis de micro-organismos no oceano primitivo da Terra, há cerca de 3,4 bilhões de anos. Alguns cientistas, porém, acham que a vida pode ter surgido muito antes.

A descoberta australiana favorece o entendimento da maioria dos biólogos evolucionistas, que acreditam que a vida teria surgido não nos oceanos da Terra, mas na superfície, em lagos e nas extremidades de gêiseres e vulcões. Na superfície terrestre daquela época existiam vários elementos químicos importantes para os seres vivos.

(com Agência Sputnik)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade