Publicidade

Estado de Minas MERCADO

Governo brasileiro vai investir em startups

Por meio da Finep, Brasil vai injetar R$ 50 milhões em 50 empresas startups


postado em 26/06/2017 12:32 / atualizado em 26/06/2017 12:45

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) lançou nesta segunda, dia 26 de junho, em São Paulo, um programa para disponibilizar R$ 50 milhões com objetivo de financiar empresas startups – ideia inicial de negócio que pode vir a gerar lucro – no Brasil. Serão selecionadas 50 startups e cada uma receberá até R$ 1 milhão em recursos. O edital sairá publicado no Diário Oficial da União de terça (27).

Segundo Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, presidente da Finep, o projeto poderá chegar, futuramente, a até R$ 500 milhões. "Estamos lançando uma primeira fase para ir testando o modelo, mas já tem um volume razoável. Normalmente, programas de apoio a startups dão apoios financeiros bem menores, R$ 50 mil, R$ 100 mil, R$ 200 mil", comenta Marcos Albuquerque.

Para participar, a startup precisa ter o projeto desenvolvido, com protótipo. Outras exigências são, no mínimo, seis meses de CNPJ, receita bruta de até R$ 3,6 milhões e trazer tecnologia inovadora. As startups devem estar relacionadas a temas como educação, cidades sustentáveis, jogos eletrônicos, energia, biotecnologia, química, tecnologias submarinas para petróleo e manufatura avançada.

Interessados podem se inscrever a partir de terça (27) até do dia 7 de agosto por meio do site da Finep. Numa primeira rodada, serão selecionadas 25 startups. O contrato será por opção de compra de ações e transforma a Finep em uma potencial acionista da empresa. A financiadora do governo poderá optar se tornar ou não sócia num prazo total de até três anos, podendo ser prorrogado por mais dois anos.

Para que startups não fiquem dependentes de recursos públicos, o projeto priorizará empresas aportadas por investidores-anjo, os quais receberão parte do retorno em excesso da Finep, com objetivo de ampliar o engajamento do investidor privado.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade