Publicidade

Estado de Minas TECNOLOGIA

Professor cria jogo de celular educativo parecido com Pokémon GO

O novo aplicativo é chamado BioExplorer e trata de educação ambiental


postado em 02/06/2017 14:41

Jovens se aglomerando em lugares por onde nunca haviam passado, interagindo com pessoas com as quais nunca tinham conversado, todos unidos na busca por personagens de um famoso anime japonês. Essas situações puderam ser vistas na época do lançamento do aplicativo Pokémon GO, que, em pouco tempo, se tornou um fenômeno no mundo inteiro.

O sucesso do jogo chamou a atenção de Antônio Mauro Saraiva, professor da Escola Politécnica da USP e coordenador do Núcleo de Pesquisa em Biodiversidade e Computação. Ao notar a movimentação gerada nos jovens pelo app, ele se questionou como as crianças e os adolescentes poderiam aprender enquanto jogam.

O resultado foi o BioExplorer, um aplicativo de realidade aumentada com animais da Mata Atlântica. Sua primeira versão conta com quatro animais: o lobo-guará, a capivara, o carcará e a onça-pintada, que aparecem em um raio de 35 m do jogador. Ao encontrar cada um deles, os animais se apresentam em áudio e texto. Depois de conhecer todos, um personagem folclórico é desbloqueado, o Saci-Pererê.

"Quando eu vi a garotada procurando pokémons, quis criar algo que levasse as pessoas a aprenderem mais sobre a nossa biodiversidade com o mesmo entusiasmo. Mas, não só nossa biodiversidade, nosso folclore também, que é muito ligado à natureza, aos rios, às matas, à fauna e flora", comenta Antônio Saraiva.

Segundo o professor, o BioExplorer é uma ferramenta de educação ambiental que visa a abordar assuntos como o desmatamento, a extinção de animais, as mudanças climáticas e a biodiversidade da Mata Atlântica.

O aplicativo já está disponível na loja Google Play, do sistema Android.

(com Jornal da USP)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade