Obesidade pode gerar dores crônicas no corpo

Apesar de não haver uma relação direta, o sobrepeso pode ser fator de risco para a dor

por Da redação com assessorias 13/07/2017 15:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Como mostra o especialista, apesar da obesidade não causar dor crônica por conta própria, ela acaba gerando o problema devido aos danos adversos que provoca no corpo (foto: Pixabay)
Além de ser fator de risco para doenças cardiovasculares, pressão alta e colesterol elevado, a obesidade, que atinge mais da metade da população brasileira segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), também pode ser a causadora de dores no corpo. Isso porque o sobrepeso geralmente provoca alterações na postura, distúrbios do sono, alterações do humor e ainda promove substâncias inflamatórias no organismo.

O neurocirurgião Lúcio César Hott Silva, vinculado à Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, confirma que apesar da relação entre dor e obesidade não ser direta, são vários os fatores que as associam. "Os níveis de substâncias inflamatórias são elevados em indivíduos obesos e aumentam ainda mais após a ingestão de gordura ruins e açúcares. Se aumenta a gordura, vai aumentar novamente as substâncias inflamatórias e, possivelmente, isso contribui para dores mais frequentes ou graves", afirma o médico.

Conforme o especialista, as dores mais presentes em pessoas obesas são as articulares e na região da coluna lombar devido à alteração postural causada pelo peso excessivo. Ele ressalta que a alimentação pode ser usada para prevenir e tratar esses incômodos. "Alguns alimentos, como a cúrcuma, o gengibre, a chia, as frutas cítricas e as vermelhas, além do ômega-3, entre outros, têm a capacidade de controlar o nível inflamatório no corpo e aliviar as dores crônicas", esclarece Lúcio Hott.

Ainda assim, o médico lembra que a opção mais indicada e benéfica para o organismo é a mudança no estilo de vida. "Todos os tratamentos exigem que os pacientes façam desses novos hábitos alimentares e de atividades físicas algo que seja permanente e constante", ressalta o especialista.

Como não existe um tratamento padrão para as dores resultantes da obesidade, cada caso deve ser avaliado por um médico, que pode ajudar a reduzir o incômodo.

O problema, segundo Lúcio Hott, são os diversos fatores que dificultam a perda de peso, como ansiedade, baixa autoestima, falta de motivação e, inclusive, a própria dor crônica. "Considerando que a dor crônica é um fator limitante por sua intensidade e pela restrição da mobilidade, além de gerar sofrimento e desmotivação, pode-se considerar que se torna um empecilho a mais na tentativa de perda de peso", comenta o médico.

Últimas notícias

Comentários