Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Datafolha: minoria dos homens que são torcedores se preocupa com o câncer de próstata

Apenas 10% dos entrevistados se atentam com esse câncer, que é o segundo mais mortal entre os homens no Brasil


postado em 02/08/2017 12:55

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha, a pedido da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), do Instituto Oncoguia e da Bayer, revelou qual é a principal preocupação dos torcedores brasileiros do sexo masculino quando o assunto é saúde. Neste quesito, os entrevistados temem mais o câncer em geral (29%) e as doenças cardiovasculares (20%). Pouco se atentam ao câncer de próstata (10%), mesmo sendo o segundo tipo de câncer mais prevalente na população masculina – atrás apenas do câncer de pele não-melanoma – e que, até o final deste ano, atingirá mais de 60 mil homens, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A pesquisa utilizou o futebol, paixão nacional, para falar de um assunto que ainda é sensível aos homens. Na tentativa de identificar os motivos que impedem os brasileiros de cuidar da saúde de forma adequada, o instituto Datafolha entrevistou torcedores que frequentam os estádios de futebol para identificar alguns desses aspectos comportamentais.

Apesar de 76% identificarem o toque retal como um exame importante para o diagnóstico da doença, cerca de 48% dos entrevistados afirmaram acreditar que o machismo é o principal motivo pelo qual os homens não fazem o exame. Além disso, outros 21% disseram não considerar o procedimento "coisa de homem" e 12% apontaram a vergonha e o constrangimento como impedimentos para a realização do exame de toque.

"Tais dados confirmam a necessidade de trabalhar a conscientização da população a fim de promover a prevenção e o cuidado com a saúde. O brasileiro precisa entender que o exame de toque é um procedimento simples, indolor e rápido, e que acima de tudo é essencial para o diagnóstico de qualquer alteração da próstata", comenta o médico Archimedes Nardozza, presidente da SBU.

Cuidados primários, como consultas e check-ups periódicos, são medidas responsáveis por prevenir e identificar doenças comuns ao envelhecimento da população masculina. Os resultados mostram que embora 62% dos entrevistados afirmem já ter ido ao urologista, 34% não fazem o acompanhamento recomendado pelos médicos pois se consideram saudáveis. E um dado que preocupa: entre os entrevistados com mais de 60 anos, cerca de 27% nunca fizeram o exame de toque.

Segundo a SBU, a falta de periodicidade nas visitas ao urologista contribui para uma detecção tardia do câncer de próstata, já que muitas vezes a doença é silenciosa não apresentando sinais ou sintomas. "O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer que mais atinge os homens e mesmo assim eles negligenciam o cuidado e a prevenção", ressalta Archimedes.

A pesquisa foi realizada nas sete capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Salvador e Recife) com maior incidência da doença segundo o Inca, e entrevistou 1.062 homens acima dos 40 anos.

Principais dados da pesquisa:

  • Entre os entrevistados com mais 60 anos, apenas 27% já fizeram o exame de toque

  • 32% dos entrevistados não conhecem nenhum sintoma do câncer de próstata

  • O maior percentual de visitas ao urologista está entre os soteropolitanos (70%), já os curitibanos são os que menos se consultam com esse especialista (53%)

  • Os mineiros são os mais conscientes sobre o câncer de próstata, 87% dos entrevistados indicaram ser o tipo de câncer mais comum entre os homens acima dos 40 anos

  • Os mineiros são maioria na adesão ao exame de toque, cerca de 67% dos entrevistados

  • 74% dos recifenses afirmaram nunca terem feito o exame de toque retal

  • As capitais com mais entrevistados que consideram não ser "coisa de homem" o exame preventivo são Porto Alegre, Belo Horizonte e Curitiba

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade