Museu Histórico Abílio Barreto guarda a memória de Belo Horizonte desde 1943

O casarão que é um símbolo do MHAB foi construído bem antes da capital mineira ser inaugurada

por Encontro Digital 17/08/2017 16:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução
O casarão icônico do Museu Histórico Abílio Barreto foi construído em 1883, bem antes de Belo Horizonte ficar pronta e se tornar a capital de Minas Gerais em 1897 (foto: Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução)
Quem anda pelos salões do Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), localizado no bairro Cidade Jardim, região centro-sul de Belo Horizonte, tem a sensação de fazer uma viagem no tempo. O espaço, que é gerido pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Fundação Municipal de Cultura, possui, atualmente, o maior acervo museológico de Minas Gerais, com mais de 70 mil itens que revelam dievrsos momentos da história da capital mineira e de seus cidadãos. São documentos textuais, iconográficos, bidimensionais e tridimensionais referentes às origens, formação e desenvolvimento da cidade.

Um dos itens mais impressionantes desse rico acervo pode ser visto de longe. Exposto 24 horas por dia, o item está no mesmo local há 134 anos. Conhecida como Casarão, a sede da antiga Fazenda do Leitão foi construída por Cândido Lúcio da Silveira, em 1883, seguindo modelo típico das edificações rurais mineiras e brasileiras do período colonial.

Localizada nos arredores do antigo Arraial do Curral del Rei, a sede foi desapropriada pela Comissão Construtora da Nova Capital em 1894, no início do processo de construção de Belo Horizonte. É um dos raros imóveis do século XIX ainda de pé.

Para servir como sede do museu, a casa foi restaurada e adaptada em 1943. Tombada em 1951 pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Iphan, o imóvel passou por outras restaurações ao longo dos anos. Atualmente, o MHAB é utilizado como espaço expositivo e de ações educativas.
Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução
Entre os itens históricos expostos no MHAB, destaque para uma carruagem antiga, que era conduzida por cavalos (foto: Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução)

Além do casarão do século XIX, o museu Abílio Barreto possuí um moderno edifício-sede, inaugurado em dezembro de 1998. Na área externa, os visitantes ainda podem conhecer os abrigos para o bonde elétrico e a locomotiva a vapor, o coche, o palco ao ar livre e os jardins concebidos como local de educação e lazer.

Para Natércia Pons, gestora do MHAB, é emocionante reconstruir a história do arraial e de Belo Horizonte por meio de acervos selecionados. "Conhecer a cidade e seus agentes históricos, seus costumes, dinâmicas e hábitos, amplia e fortalece a proposta do MHAB de ser um museu atuante, onde a história de Belo Horizonte possa ser entendida respeitando-se a diversidade e estimulando o intercâmbio dessas experiências", comenta a gestora.
Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução
Uma antiga maria-fumaça também pode ser vista na área externa do museu Abílio Barreto (foto: Flickr/PBH/Ricardo Laf/Reprodução)

Serviço:

Museu Histórico Abílio Barreto
Endereço: av. Prudente de Morais 202, Cidade Jardim, Belo Horizonte/MG
Funcionamento: de terça a domingo das 10h às 17h – quartas e quintas até as 18h30
Entrada gratuita
Informações e agendamento de visitas especiais: (31) 3277-8835

(com assessoria da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte)

Últimas notícias

Comentários