OMC vê com bons olhos as reformas do governo brasileiro

Diretor da Organização Mundial do Comércio diz que a estabilidade econômica atrai os investidores

por Encontro Digital 25/08/2017 17:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação
O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo:" O crescimento econômico viceja de forma mais vigorosa quando você tem estabilidade" (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação)
O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, disse nesta sexta, dia 25 de agosto,  que o organismo internacional vinculado à ONU vê com "bons olhos" o fato de o Brasil estar passando por reformas na economia. "Muitos membros da OMC se referiram de forma elogiosa ao fato de que o país está em um momento de reformas", comenta Azevêdo, que está em visita ao país.

Apesar de evitar comentar a forma como as reformas devem ser conduzidas e sobre o atual ambiente político do país, o diretor da OMC afirma que a estabilidade é importante para que o Brasil atraia investimentos. "O crescimento econômico viceja de forma mais vigorosa quando você tem estabilidade, previsibilidade, que são elementos muito importante no cálculo dos investimentos", declara Roberto Azevêdo.

Ele avalia, contudo, que a despeito dos problemas políticos e econômicos, o momento no Brasil não é de "todo ruim" para atrair investidores. "As taxas de juros internacionais continuam baixas. Então, há um certo movimento de capital em busca de melhores remunerações", comenta.

Questionado sobre o programa de privatizações divulgado recentemente pelo governo, Azevêdo diz que elas devem ocorrer considerando a busca dos investidores por "estabilidade, previsibilidade e lucratividade". "Um processo de privatizações que ofereça condições de estabilidade, previsibilidade e remuneração adequada ao investidor, eu acho que tem boas chances de ser bem-sucedido", opina o diretor da OMC.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários