Anac aponta crescimento na demanda por transporte aéreo doméstico

Em julho houve aumento de 3,6% na demanda, em comparação com o mesmo mês de 2016

por Encontro Digital 13/09/2017 13:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação
(foto: Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação)
A demanda doméstica por transporte aéreo (em número de passageiros por km pago transportado) registrou aumento de 3,6% em julho deste ano, quando comparada com o mesmo mês de 2016. Esta foi a quinta alta consecutiva do indicador, informa a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) nesta quarta, dia 13 de setembro. No acumulado dos sete primeiros meses, a demanda teve crescimento de 1,1%, em comparação com o mesmo período do ano passado. A oferta registrou alta de 4,4% no mês, após queda em junho. A oferta (em assentos-quilômetros ofertados) acumulou crescimento de 0,2% nos primeiros sete meses o do ano.

Em julho de 2017, foram transportados 8,3 milhões de passageiros pagos em voos domésticos, o que representou aumento de 3% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

De acordo com a Anac, no mês de julho, Gol e Latam permaneceram na liderança no mercado doméstico, com participações da ordem de 37,4% e 32,1%, respectivamente, enquanto a soma das demais empresas avançou 9,1% na comparação com julho de 2016 alcançando 30,5% da demanda. No mês, a Latam registrou uma baixa de 6%, na comparação com igual período do ano anterior, enquanto a Avianca alcançou a maior variação positiva entre as quatro principais empresas aéreas, com 20,2%. As empresas Gol e Azul apresentaram crescimento de 5,7% e 9,5%, respectivamente.

Em julho deste ano, a taxa de aproveitamento dos assentos das aeronaves no mercado doméstico foi 83,9%, que representou baixa de 0,7% em relação ao mesmo período do ano passado. O transporte de carga paga e correio no mercado doméstico, no mês de julho, foi da ordem de 36 mil toneladas, o que representou alta de 0,3% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários