Aumenta número de órgãos doados no Brasil

Dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos mostram que no primeiro semestre houve acréscimo de 11,8% na taxa de doadores

por Encontro Digital 04/09/2017 08:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
A taxa de doadores de órgãos no Brasil subiu de 14,6 pessoas por milhão de habitantes para 16,2 no primeiro semestre deste ano, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). A expansão atingiu 11,8%, o que leva o país a ficar bem próximo da meta prevista para este ano, que é de 16,5 doadores efetivos para cada um milhão de habitantes.

"A taxa mostra que o número de doadores efetivos voltou a crescer de forma significativa, o que não estava acontecendo nos últimos semestres", diz o cirurgião cardiovascular José Lima Oliveira Júnior, integrante da Comissão de Remoção de Órgãos da ABTO, em entrevista à Agência Brasil.

O médico lembra que o principal entrave para o aumento do número de doadores no país é a recusa das famílias quando abordadas após a constatação da morte encefálica de algum parente. Atualmente, no Brasil, de cada 100 famílias, 43 recusam fazer a doação. "Esse é o principal entrave hoje", comenta o especialista. Essa taxa de recusa familiar varia de estado para estado. Na região norte, em alguns estados, a recusa alcança 90%. "De cada 10 famílias abordadas, nove recusam a doação", diz o cirurgião.

A situação é melhor na região sul, onde os estados do Paraná e de Santa Catarina apresentam taxas de recusa entre 22% e 23%, próximas da média de países desenvolvidos como os Estados Unidos, a Austrália, Espanha e o Canadá, cuja taxa oscila em torno de 20%.

O estudo mostra ainda que há um baixo aproveitamento dos órgãos de potenciais doadores notificados. No acumulado de janeiro a junho de 2017, 31% dos 5.309 potenciais doadores notificados foram aproveitados. O índice é bastante inferior ao de países desenvolvidos, que varia entre 60% e 70%, segundo a entidade.

Por outro lado, a pesquisa da ABTO indica que a taxa de notificação de potenciais doadores aumentou 4,5% no primeiro semestre deste ano, enquanto a taxa de efetivação da doação de órgãos cresceu 7,2%. Foi registrado no período crescimento no número de transplantes de rim (5,8%), fígado (7,4%) e córneas (7,6%). Em contrapartida, ocorreu redução nos transplantes de coração (-3,6%), pulmão (-6,5%) e pâncreas (-6%). Oliveira Júnior esclareceu que pulmão e coração são órgãos mais difíceis de serem transplantados porque há recusa técnica, devido à viabilidade do órgão. "São órgãos mais sensíveis", completa o médico.

De acordo com o especialista, quase 35 mil brasileiros estão na fila à espera de um órgão. "A fila só aumenta ou diminui em função das pessoas que entram na fila e morrem, aguardando por um órgão, ou das pessoas que são transplantadas e não continuam na fila", diz. A maioria das pessoas que estão na fila aguardam doação de rim (20.523 pacientes).

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários