Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Sangramento excessivo pode ser sinal de mioma

Tumores benignos no útero são comuns e podem não gerar sintomas, sabia?


postado em 08/09/2017 10:14

Muitas mulheres possuem miomas e, às vezes, nem sabem. Eles são tumores benignos do útero que se originam a partir de células musculares do miométrio. O aparecimento e o desenvolvimento deles ocorrem durante o período reprodutivo da mulher, desde a primeira menstruação até a menopausa, podendo aumentar na medida em que os anos passam.

Segundo a ginecologista Cristina Laguna Benetti Pinto, membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, não há formas de prevenir ou evitar o aparecimento dos miomas. Porém, alguns estudos mostram que mulheres obesas têm maior suscetibilidade ao crescimento desses tumores. "Desse modo, pode-se dizer que os miomas tendem a aparecer durante os anos em que a mulher menstrua, com aumento da frequência durante o período fértil, regredindo na menopausa", comenta a especialista.

Além da obesidade, outros fatores que impulsionam o aparecimento de miomas são: nuliparidade (mulheres que nunca tiveram filhos), cor negra (2,9% de risco maior que brancas) e predisposição familiar (parentes de 1º grau têm maior risco). As menstruações precoces também aumentam a incidência.

A médica esclarece ainda que os miomas podem ser assintomáticos, portanto, não causam problemas ou queixas. "O principal sintoma associado aos miomas é o sangramento aumentado na menstruação. Outros sinais são dor pélvica, cólica menstrual, dor na relação sexual ou na evacuação, que é menos frequentes. Às vezes, são causas de infertilidade", esclarece Cristina Benetti.

Os miomas podem ser diagnosticados durante exame ginecológico ou por meio de ultrassom. E, entre as possibilidades de tratamento, conforme a ginecologista, a principal é a cirurgia, na qual pode ocorrer a retirada apenas do mioma ou, em último caso, do útero. Há alguns anos, essa cirurgia era realizada por laparotomia, técnica na qual o abdômen é aberto por uma incisão parecida com a usada em cesarianas.

"Atualmente, quando possível e disponível, tem-se indicado a cirurgia por laparoscopia, por meio da qual se introduz o equipamento cirúrgico e a câmera através de pequenos cortes. Ou ainda por histeroscopia, que é utilizada quando o mioma cresce para dentro da cavidade do útero. Essas duas técnicas são recentes, mas não podem ser consideradas novidades. O que se tem mais recentemente é a embolização dos miomas, um procedimento minimamente invasivo. No entanto, ele só é indicado quando há dificuldades ou impossibilidade de realização de cirurgia para retirada do mioma por meio das outras técnicas", afirma a médica.

Ela ressalta que existem tratamentos medicamentosos, muitos não disponíveis no Brasil, mas que apenas ajudam a diminuir o sangramento. "Não são tratamentos para a cura. O único objetivo deles é controlar o sangramento, muitas vezes evitando o procedimento cirúrgico", completa a especialista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade