AVC afeta 10 mil pessoas em Minas Gerais todos os anos

A doença é silenciosa e pode deixar a vítima incapacitada

por Encontro Digital 26/10/2017 15:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Um dos problemas mais graves da atualidade, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é responsável por mais de 100 mil mortes por ano no Brasil. A estatística foi apresentada por médicos e especialistas durante audiência pública da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada nesta quinta-feira, dia 26 de outubro. A reunião foi fruto de um requerimento do presidente da comissão, deputado Carlos Pimenta (PDT), em razão do Dia Mundial do AVC (29 de outubro).

Segundo o neurologista Gustavo Daher, as estatísticas são mesmo assustadoras. Ele afirma que uma em cada seis pessoas no mundo, independente dos fatores de risco, vai sofrer um AVC em algum momento da vida. Diante disso, o especialista defende que o problema seja encarado com a sua devida importância. "São 10 mil mortes por ano em Minas Gerais e outros milhares casos de incapacitação física ou neurológica provocados pela doença. Nosso maior desafio é vencer o descaso da sociedade, que desconhece ou tem medo de conhecer o AVC", alerta o médico.

Gustavo Daher destaca, ainda, a falta de capacitação do sistema público de saúde e o despreparo dos hospitais para receber as vítimas da doença. Ele acrescenta que a cada seis segundos o AVC mata alguém no mundo, o que torna o problema o mais grave e silencioso de que se tem conhecimento. "O impacto econômico do AVC é muito alto, uma vez que traz complicações e tratamentos de reabilitação caros. Cerca de 90% dos casos poderiam ser evitados", salienta o neurologista.

A presidente da Associação Mineira do AVC, Sandra Issida Gonçalves, também participou da audiência pública e reforçou que a realidade é dura e cruel e assola inclusive crianças e adolescentes. De acordo com ela, a doença acomete qualquer um sem aviso prévio e a falta de informações aumenta a gravidade do problema.

(com assessoria de imprensa da ALMG)

Últimas notícias

Comentários