Coceira no corpo pode ser sinal de um problema mais sério

Especialista fala sobre as possíveis causas das coceiras que, supostamente, são consideradas misteriosas

por Da redação com assessorias 11/10/2017 11:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Apesar de surgir repentinamente, a coceira pode ser causada por diversos fatores, incluindo doenças mais graves (foto: Pixabay)
Conhece o ditado que diz que "trair e coçar é só começar"? Pois é, muita gente sofre com problemas que afetam a pele e acabam gerando coceira intensa e, consequentemente, ferimentos. Apesar de ser comum, essa ação pode indicar alguma doença mais séria. Segundo a dermatologista Joana Barbosa, a coceira ou prurido é definido como a sensação desagradável ou incômoda na pele, que provoca o ato ou vontade de coçar. "Esse sintoma se manifesta essencialmente na pele e/ou mucosas, podendo variar de leve a intenso, de localizado a generalizado e de intermitente a persistente", comenta a especialista.

Quando intensa e persistente, a dermatologista explica que a coceira vira um grande desafio, pois, em geral, é de difícil tratamento. "As causas da coceira podem ser várias, que vão desde estímulos de natureza química ou física. Quando diagnosticada, deve receber algumas classificações e, com isso, facilita a identificação das causas", afirma a médica.

De acordo com Joana Barbosa, a sensação de coceira sem um fator causal é considerada prurido primário. Já o secundário é aquele que acompanha uma doença e pode estar associado a problemas cutâneos (dermatite de contato, eczemas, atopia e outros), além de doenças sistêmicas (hepáticas, endócrinas e renais). "Ainda é possível classificar o prurido em agudo, com aparecimento rápido e progressivo; ou crônico, com mais de três semanas de evolução", esclarece a dermatologista.

Ela lembra que o ressecamento da pele é um sintoma que ocorre de forma sazonal, representando uma perda da barreira epidérmica, e pode induzir ou piorar um quadro de coceira. "Nestes casos, chamamos de prurido asteatósico ou xerótico. Devemos promover o restabelecimento da superfície da pele antes de iniciar o tratamento da doença de base", diz a especialista.

Tratamento

O prurido pode ser tratado, inicialmente, com cuidados gerais da pele por meio da hidratação e da prevenção de danos. "Recomenda-se orientações de banho, uso de emolientes ou óleos e contato com tecidos não sintéticos. Em seguida, deve ser direcionado o tratamento para a doença de base; por exemplo, tratar as infecções, as alterações renais, endócrinas ou hepáticas. Ao mesmo tempo, é necessário melhorar a sensação incômoda de coceira e, para isso, é indicado o uso de anti-histamínicos, antidepressivos e/ou anti-inflamatórios", ressalta Joana.

Últimas notícias

Comentários