Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Comércio espera crescimento de 3,4% nas vendas do Dia das Crianças

A estimativa é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo


postado em 05/10/2017 12:48 / atualizado em 05/10/2017 12:58

O volume de vendas do comércio varejista no Dia das Crianças deverá registrar crescimento de 3,4% neste ano, o melhor desempenho desde 2013, segundo informa a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A estimativa é que as vendas durante o período devem movimentar R$ 7,4 bilhões e o crescimento já leva em conta os descontos relativos à inflação, na comparação com 2016 .

A confederação ressalta o fato de que "o resultado será o melhor registrado pelo varejo nesta data desde o crescimento de 5,1% verificado em 2013".

Para Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC, são vários os fatores que levam a este desempenho e não só as baixas taxas de inflação dos produtos destinados às crianças.

"A perspectiva mais favorável acerca do desempenho do setor na data comemorativa se insere em um contexto mais amplo, no qual a recuperação do mercado de trabalho, inflação baixa e juros em processo de redução permitem um resgate parcial das condições de consumo", comenta o especialista.

Vestuário e calçados

Os setores com melhor desempenho nas vendas voltadas para o Dia das Crianças, de acordo com a CNC, serão os de lojas de vestuário e calçados, com crescimento esperado de 10,2%, seguido pelo de brinquedos e eletroeletrônicos, que deverá expandir 5,7%.

"Em ambos os casos, no entanto, as variações positivas esperadas para este ano não repõem as perdas verificadas no ano passado e chegam a -12,2% para vestuário e calçados e a -7,6% no de comércio de brinquedos" afirma Bentes.

A avaliação da CNC é de que a evolução recente do preço médio de 11 bens ou serviços mais demandados "tem demonstrado que a inflação associada à data comemorativa deverá ser a menor desde os 4,3% de 2001". Entre os itens que registraram as menores variações de preço, estão os chocolates em barra e bombons (-5,1%), CDs e DVDs (-0,7%) e brinquedos (2,1%).

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade