FMI prevê crescimento maior da economia global em 2017 e em 2018

A informação faz parte de um relatório divulgado pelo Fundo Monetário Internacional

por Encontro Digital 10/10/2017 12:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou as previsões de crescimento da economia global para 3,6% este ano e para 3,7% em 2018, em ambos os casos um acréscimo de 0,1%, graças ao aumento da atividade na Europa e no Japão, o bom ritmo dos Estados Unidos e a solidez da China. A informação foi divulgada nesta terça, dia 10 de outubro, pela agência espanhola de notícias EFE.

"A alta global na atividade econômica está se fortalecendo. Após anos de debilidade, as economias avançadas começam a dar bons sinais", destaca o relatório do FMI, intitulado Perspectivas Econômicas Mundiais, apresentado na cidade de Washington, capital dos Estados Unidos.

O organismo dirigido por Christine Lagarde aumentou as previsões de crescimento na zona do euro para 2,1% este ano e 1,9% em 2018, o que representa 0,2% acima do que foi calculado há três meses. Esta recuperação se deve a uma "aceleração das exportações, ao contínuo fortalecimento da demanda interna, o respaldo ao estímulo monetário e a redução de riscos e incerteza política", diz o FMI.

Para os Estados Unidos, principal economia do mundo, a estimativa, agora, é de crescimento de 2,2% para este ano e de 2,3% para 2018, uma melhora de 0,1% e 0,2%, respectivamente, frente aos cálculos de julho, impulsionado por condições financeiras muito favoráveis e "à forte confiança de consumidores e empresas".

A tudo isso se soma o impulso apresentado pelo grosso das economias emergentes. O FMI também ressaltou a "solidez" da China, para a qual estimou um crescimento de 6,8% em 2017 e de 6,5% para 2018, 0,1% acima do cálculo. Já no caso da Índia, o fundo rebaixou suas previsões de crescimento para 6,7% este ano e 7,4% em 2018, com 0,5% e 0,3% a menos, respectivamente.

(com Agência EFE e Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários