Menino do Amazonas é a quinta pessoa no mundo a ser curada da raiva humana

Mateus Castro foi infectado por um morcego e conseguiu sobreviver à hidrofobia

por Marcelo Fraga 10/01/2018 14:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
G1.globo.com/Reprodução
O jovem Mateus Castro, de 14 anos, natural do Amazonas, contraiu raiva humana e conseguiu se curar, o que é muito raro. Ele é a quinta pessoa a ser curada da hidrofobia no mundo (foto: G1.globo.com/Reprodução)
O jovem amazonense Mateus Castro, de apenas 14 anos, conseguiu um feito raríssimo na história da Medicina. Ele se curou da raiva humana, também conhecida como hidrofobia. De todos os casos da doença já registrados no mundo, só cinco pessoas conseguiram sobreviver depois de terem contraído a versão humana do problema, que costuma ser comum nos animais.

O jovem Mateus foi infectado após um ataque de morcegos em uma comunidade da zona rural do município de Barcelos, que fica no estado do Amazonas. Os animais também morderam dois irmãos do garoto, que acabaram contraindo raiva, mas, ao contrário dele, não conseguiram sobreviver.

Os únicos casos de cura da raiva, no mundo, foram registrados nos Estados Unidos, em 2004 e 2011; na Colômbia, em 2008; e, no mesmo ano, no Brasil, em Pernambuco. Ou seja, Mateus Castro é a quinta pessoa em toda a história da humanidade a sobreviver à doença, sendo o segundo brasileiro.

Apesar de ter sobrevivido à hidrofobia, o jovem amazonense ainda não está totalmente curado e vai continuar em tratamento por mais quatro meses, de acordo com informações do Ministério da Saúde e divulgadas pelo portal de notícias da Globo, o G1. O órgão informou, ainda, que mais exames serão feitos no menino para diagnosticar possíveis problemas neurológicos decorrentes da doença.

Tratamento

Segundo o conhecido médico brasileiro Drauzio Varella, a raiva humana é tratada com o chamado Protocolo de Milwaukee, que recebeu este nome por ter sido utilizado pela primeira vez na cidade americana de mesmo nome, localizada no estado de Wisconsin, na região norte dos Estados Unidos.

Ainda segundo o oncologista, em texto publicado em seu site oficial, esse tratamento foi criado pelo médico americano Rodney Willoughby, e consiste na aplicação maciça de medicamentos antivirais, enquanto o paciente é mantido sob coma induzido para proteger o cérebro de possíveis danos causados pela raiva.

Após o primeiro caso bem sucedido de tratamento da hidrofobia no Brasil, em 2008, o Protocolo de Milwaukee tornou-se conhecido no país como Protocolo de Recife, porque a técnica utilizada nos EUA foi adaptada às condições brasileiras. Neste caso, para tratar o paciente infectado na capital pernambucana, informa Drauzio Varella.

Últimas notícias

Comentários