Novo remédio para superbactérias tem eficácia de até 87%

Medicamento funciona contra a Pseudomonas aeruginosa, que causa infecção hospitalar

por Da redação com assessorias 18/01/2018 16:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Sabia que 25% das infecções registradas no Brasil são causadas pelas chamadas "superbactérias"? O dado assustador é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mas, a boa notícia é que a agência acaba de aprovar um novo antibiótico, à base de ceftolozana-tazobactam, de nome comercial Zerbaxa, que é capaz de matar bactérias resistentes, em especial a Pseudomonas aeruginosa – afeta principalmente os tratos respiratório e urinário e é muito comum em hospitais.

Para se ter uma ideia do risco que as bactérias resistentes representam, no início de 2017, a Organização Mundial da Saúde (OMS), pela primeira vez na história, divulgou uma lista desses micro-organismos e fez um apelo pelo desenvolvimento de antibióticos capazes de enfrentá-los. Além da Pseudomonas aeruginosa, o documento da OMS cita a Acinetobacter baumannii e diversas enterobactérias, incluindo a Klebsiella pneumoniae, a E. coli, a Serratia spp. e a Proteus spp.

Atualmente, a estimativa é que 40% dos casos de infecção pela P. aeruginosa detectados no Brasil apresentam resistência aos remédios do tipo carbapenêmicos, como o Meropeném, que é o antibiótico mais usado para tratar infecções graves causadas por esta bactéria. "O antibiótico ceftolozana-tazobactam, atualmente, é considerado a melhor opção para tratar infecções causadas por Pseudomonas aeruginosa. Esse tipo de bactéria sempre foi um desafio para nós, médicos, pois são muito frequentes em ambientes hospitalares, particularmente nas UTI's", comenta o infectologista Clóvis Arns da Cunha, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Infelizmente, esse micro-organismo costuma ser resistente aos antibióticos escolhidos como forma inicial de tratamento. Com isso, sem medicamentos efetivos, muitos procedimentos médicos, como cirurgias e quimioterapia para pacientes com câncer, acabam sendo suspensos ou adiados. "Nós utilizamos antibióticos em complicações infecciosas de diversos procedimentos hospitalares, o que possibilitou vários avanços em várias áreas da saúde, incluindo os transplantes, por exemplo. Se as bactérias se tornarem resistentes aos antibióticos que temos disponíveis, hoje, poderemos voltar à era pré-antibióticos, onde um simples ferimento infectado poderá causar graves danos", alerta o médico.

Segundo estudos clínicos feitos pela farmacêutica MSD, responsável pelo Zerbaxa, o novo antibiótico demonstrou eficácia de 87% no tratamento de infecções bacterianas intra-abdominais complicadas, quando comparadas ao tratamento padrão com Meropeném. Já em relação ao combate a infecções do trato urinário causadas pela Pseudomonas aeruginosa, a eficácia chegou a 75% – os remédios tradicionais funcionam em 47% dos casos.

Últimas notícias

Comentários