Cade dá parecer favorável à compra da Itambé pela Lactalis

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica não vê problema na aquisição do laticínio mineiro pelo grupo francês

por Encontro Digital 30/01/2018 10:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Depois que a justiça impediu, temporariamente, a venda de 100% das ações da Itambé que eram de propriedade da Cooperativa Central dos Produtores de Minas Gerais, em dezembro de 2017, por cerca de R$ 600 milhões, para o laticínio francês Lactalis, dona da Batavo, Elegê e Président, agora, a superintendência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, publicou um despacho recomendando a aprovação sem restrições da negociação.

Na época do acordo acionário com a Lactalis, a JBS estava prestes a vender a marca Vigor, que detém 50% da Itambé, para o grupo mexicano Lala. Como a empresa mineira não estava interessada na negociação com o laticínio mexicano, o grupo pertencente aos irmãos Joesley e Wesley Batista decidiu entrar na justiça, paralsiando a venda das ações da Cooperativa Central dos Produtores de Minas Gerais.

O Tribunal de Justiça de São Paulo emitiu uma liminar que suspendeu de forma temporária a negociação entre a Itambé e a Lactalis. Porém, a decisão do Cade é uma ótima notícia para o laticínio francês. Aliás, a empresa acaba de enfrentar um escândalo na Europa, depois que alguns lotes de leite em pó infantil, contaminados com a bactéria Salmonella, acabaram infectando 35 bebês menores de 6 meses na França. Isto gerou um recall de 12 milhões de produtos em 83 países.

Para concretizar a compra da Itambé e iniciar sua operação no país, a Lactalis aguarda a conclusão de uma arbitragem imposta pela empresa mexicana Lala, e que está sendo avaliada pela Câmara de Comércio Brasil-Canadá.

Últimas notícias

Comentários