Em janeiro, as contas de luz devem ser mais baratas

A bandeira tarifária volta a ser verde e os brasileiros vão pagar menos pela energia elétrica

por Encontro Digital 03/01/2018 08:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pexels
(foto: Pexels)
Ao menos o mês de janeiro começa com uma boa notícia para os brasileiros: a conta de luz deve ficar mais barata porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou que a bandeira tarifária neste mês vai ser da cor verde, ou seja, não terá custo extra para o consumidor.

Em dezembro de 2017, a bandeira tarifária nas contas de luz era a vermelha de patamar 1, a segunda mai cara, com custo de R$ 3 para cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. Esta tarifa só fica atrás da vermelha patamar 2 (R$ 5 para cada 100 kW/h). O uso das bandeiras mais caras costuma ocorrer quando o regime de chuvas não é suficiente para recompor os reservatórios das usinas hidrelétricas e o governo aciona as termoelétricas, que são mais caras.

Ainda que a cor da bandeira tenha mudado para verde, e indique condições favoráveis de geração hidrelétrica no Sistema Interligado Nacional, é preciso que o consumidor use a energia de forma consciente e combata o desperdício. "O chuveiro elétrico gasta muito. Deixe menos tempo o chuveiro ligado. Não vamos cantar no banheiro, que vai gastar muita eletricidade. Outro vilão é a geladeira. Então, vamos abrir e fechar menos a geladeira. Vou dar uma terceira dica: é o ferro elétrico, que gasta muita energia também. É melhor acumular a roupa e passar menos vezes. Então, cuidado para você não ficar toda a hora usando ferro elétrico", comenta Renato Queiroz, pesquisador do Grupo de Economia da Energia.

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica também dá dias: os consumidores devem limpar regularmente o filtro do ar condicionado e só o ligá-lo com o ambiente fechado; trocar as lâmpadas incandescentes pelas de LED, que são mais econômicas; apagar a luz sempre que sair; deixar a TV ligada só quando alguém estiver assistindo; esperar para lavar roupa e louça, quando a máquina estiver cheia; e, se puder, pintar o interior da casa com cores claras, para refletir melhor a luz.

Tire algumas dúvidas sobre as badeiras das contas de luz:

O que são bandeiras tarifárias?
É o sistema que sinaliza aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. O funcionamento é simples: as cores das bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

Qual a diferença entre as bandeiras e as tarifas de energia?
É importante entender as diferenças entre as bandeiras tarifárias e as tarifas propriamente ditas. As tarifas representam a maior parte da conta de energia dos consumidores e dão cobertura para os custos envolvidos na geração, transmissão e distribuição da energia elétrica, além dos encargos setoriais. As bandeiras, por sua vez, refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica. Dependendo das usinas utilizadas para gerar a energia, esses custos podem ser maiores ou menores. Quando a bandeira está verde, as condições hidrológicas para geração de energia são favoráveis e não há qualquer acréscimo nas contas. Se as condições são um pouco menos favoráveis, a bandeira passa a ser amarela e há uma cobrança adicional, proporcional ao consumo, na razão de R$ 1 por 100 kWh. Já em condições ainda mais desfavoráveis, a bandeira fica vermelha e o adicional cobrado passa a ser proporcional ao consumo na razão de R$ 3 por 100 kWh, para a bandeira vermelha – patamar 1; e na razão de R$ 5 por 100 kWh, para a bandeira vermelha – patamar 2.

As bandeiras tarifárias são um acréscimo nas contas?
Não. As bandeiras são uma forma diferente de apresentar um custo que, hoje, já faz parte da conta de energia, mas que, geralmente, passa despercebido. As bandeiras tarifárias não interferem nos itens passíveis de repasse tarifário. Antes das bandeiras, as variações que ocorriam nos custos de geração de energia, para mais ou para menos, eram repassados até um ano depois, no reajuste das tarifas.

(com Agência Rádio Mais)

Últimas notícias

Comentários