Publicidade

Estado de Minas BRASIL

Contas de luz não devem aumentar até março

A ideia é que seja mantida a bandeira verde até o fim da estação chuvosa


postado em 17/01/2018 08:12 / atualizado em 17/01/2018 08:16

Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, deve ser mantida até março deste ano a bandeira verde (sem custo adicional nas contas) nas contas de energia dos brasileiros. Ainda conforme o ministro, o volume de chuvas acima da média no fim do ano contribui para a permanência da bandeira tarifária favorável.

O cenário já vinha sendo sinalizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que anunciou, no fim de dezembro, que janeiro teria  bandeira verde.

Durante visita à Usina Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR), na terça, dia 16 de janeiro, Coelho Filho disse que as as precipitações têm permitido a recuperação dos reservatórios das principais usinas do Brasil. "O sistema [elétrico nacional] é interligado, e a gente veio de cinco ou seis anos de chuvas abaixo da média nos maiores reservatórios, mas os resultados de novembro e dezembro e dos primeiros dias de janeiro têm sido muito animadores", comenta o ministro em coletiva de imprensa.

Em dezembro do ano passado, vigorou a bandeira vermelha de patamar 1, quando são cobrados R$ 3 a cada 100 kWh (quilowatts-hora). Já nos meses de outubro e novembro, vigorou a tarifa vermelha, porém, de patamar 2, o que implicou a cobrança adicional de R$ 5 para cada 100 kWh consumidos.

A justificativa para a cobrança extra deve-se ao acionamento de usinas termelétricas que apresentam custo maior para a produção de energia. De acordo com a Aneel, com a chegada do período chuvoso, houve acréscimo no nível dos reservatórios, diminuindo a necessidade de acionamento das térmicas.

"O acionamento dessa cor indica condições favoráveis de geração hidrelétrica no Sistema Interligado Nacional. Mesmo com a bandeira verde, é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica", informou a agência, em nota à imprensa enviada no fim de dezembro.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade