Estudo mostra que conceito de amor muda com a idade

Ao envelhecermos, o amor passa a estar mais ligado à felicidade

por Encontro Digital 16/01/2018 08:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
O que é o amor para você? Segundo uma pesquisa feita por Thiago de Almeida, para obtenção do doutorado em Psicologia da Universidade de São Paulo USP), o conceito de amor é influenciado pela idade, pelo nível de escolaridade e pelo gênero.

Para descobrir as características comumente associadas ao amor, Thiago entrevistou 600 pessoas, sendo 390 mulheres, 209 homens e uma pessoa que não identificar o gênero, com a média de idade de 24 anos. Eles tiveram que escrever o que acreditavam ser o amor em 90 segundos.

O resultado apontou uma mudança no entendimento do conceito de amor com o passar da idade. "Com o passar do tempo, o amor fica menos similar às questões românticas, familiares e amizades. As pessoas ficam mais pragmáticas e sempre se referindo ao amor de uma forma positiva. A maior parte dos participantes representaram o amor como algo que faz o ser humano feliz", explica o pesquisador da USP.

Outro achado curioso foi a diferença sobre a forma como o amor é visto por homens e mulheres, o que pode ser um dos fatores primordiais para as discordâncias presentes em relacionamentos heterossexuais. Mais do que os homens, as mulheres associam o amor à amizade, à família e aos animais como uma fonte de emoções, atitudes e comportamentos positivos. Além disso, quanto maior o nível de escolaridade dos participantes, mais ocorreu a associação com aspectos positivos. Isso foi constatado devido ao uso de termos como empatia, cumplicidade e dedicação.

"Este estudo é a maior e a mais completa revisão científica sobre o amor que existe atualmente", comenta Thiago Almeida. Segundo ele, o interesse neste tema surgiu pelo fato da Psicologia, surpreendentemente, abordar pouco o amor como objeto de estudo. "Entendia-se que o amor era algo relacionado com o místico, poético ou filosófico. Então, era um terreno sobre o qual a psicologia não se debruçava como objeto científico", diz. O cenário começou a mudar a partir dos anos 1970, quando o assunto passou a ser estudado pela ciência.

(com Jornal da USP)

Últimas notícias

Comentários