Evite o cheiro de 'cachorro molhado' em seu pet

Nos dias de chuva ou após banhos de piscina ou mar, é preciso alguns cuidados com seu cãozinho

por Da redação com assessorias 30/01/2018 08:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Na época de chuva, é muito comum ouvir falar em "cheiro de cachorro molhado". Isso acontece quando o pet não é cudiado de forma correta no Verão e acaba sofrendo com a umidade excessiva. "O ideal é secar bem os bichinhos após pegar chuva ou passar por poças d'água, pois as partes molhadas podem desenvolver alergias e criar fungos", explica William Galharde, gerente de estética da Petz. A dica é válida também para os cãezinhos que costumam nadar na piscina ou na praia.

Caso o pelo fique úmido por muito tempo, isso pode ocasionar infecções que provocam cheiro ruim. "Procure secar bem com uma toalha limpa, principalmente as patinhas e dobrinhas e, depois, caso necessário, usar o secador numa temperatura morna", orienta o especialista. Mesmo em dias quentes, não é indicado deixar o bichinho molhado secando sozinho ao Sol.

No banho

Com os dias quentes, o banho é essencial para manter o odor agradável e o cachorro saudável. A recomendação é que seja feita a higienização uma vez por semana, com produtos adequados, que sejam feitos com ph balanceado e tenham hidratante, tanto para o pelo como para a pele. William Galharde alerta que é preciso proteger o ouvido dos bichinhos com um algodão apropriado para não entrar água, manter a temperatura da água amena e secar bem.

"No caso de piscina e praia, é imprescindível, depois de nadar, lavar com água doce e secar bem os bichinhos. As pessoas devem ficar atentas para retirar todo o resíduo de cloro ou de água salgada, para evitar o ressecamento", orienta o especialista.

A água não pode ser nem muito quente, nem muito fria. Se estiver frio demais, o banho não consegue remover a gordura da pele do bichinho. Já a água muito quente, pode retirar a proteção natural, sensibilizando a pele do pet. A temperatura deve variar entre 35°C e, no máximo, 37°C, controlada com termostato, pois, assim, auxilia na remoção de impurezas.

O xampu tem que ser específico para os pets, com o ph balanceado, para não ressecar a pele nem a pelagem ou tirar a proteção natural delas. Caso não tenha um específico, é melhor procurar uma loja especializada e providenciar o produto certo. "Também não se deve usar sabão de coco. Diferentemente do que as pessoas acham, ele é abrasivo e pode retirar a proteção natural da pele dos pets, provocando irritação e até alergia", explica o gerente de estética.

Escovação

Escovar ajuda a ativar a circulação e a diminuir o mau cheiro, mantendo os pets limpinhos. Até aqueles com pelagem curta devem ser escovados diariamente. Galharde também alerta para o controle de pulgas e carrapatos. "Os pets podem ficar extremamente doentes e até vir a óbito pela falta de cuidado com as doenças transmitidas por ectoparasitas".

Ambiente

Outra dica importante é deixar sempre o cantinho dos pets seco. A "roupa de cama" deve ser trocada toda semana. Almofada, manta e caminha precisam ser mantidas limpas e secas, orienta o especialista.

Últimas notícias

Comentários