OMS atualiza lista de doenças e passa a incluir a obsessão por games

Além do vício em jogos eletrônicos, a nova classificação traz também o transtorno de incongruência de gênero

por Encontro Digital 03/01/2018 13:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de atualizar sua Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID, sigla em inglês) e passou a incluir problemas como vício em jogos eletrônicos e o transtorno de incongruência de gênero.

Para quem não sabe, a CID é um sistema que foi criado para listar, sob um mesmo padrão, as principais enfermidades, problemas de saúde pública e transtornos que causam morte ou incapacitação de pessoas, além de orientar a conduta de profissionais de saúde na identificação e tratamento dessas doenças.

No Brasil, a CID baseia as definições dos principais levantamentos estatísticos elaborados pelo Ministério da Saúde. A lista está em vigor desde 1990. A versão consolidada da nova classificação, que será chamada CID-11, deve ser avaliada durante a Assembleia Mundial de Saúde, prevista para maio deste ano, em Genebra, na Suíça.

A classificação de 1990 está sendo revisada há alguns anos por uma série de especialistas de diferentes áreas e países, incluindo o Brasil. As mudanças em debate que têm chamado mais atenção são as relacionadas à saúde mental. Entre as principais alterações, está a inclusão na lista de transtornos mentais ocasionados por comportamentos obsessivos do chamado gaming disorder ou "transtorno por jogos eletrônicos".

Segundo a OMS, o uso abusivo de internet, computadores, smartphones e outros aparelhos eletrônicos, além do descontrole no uso de videogames, aumentou drasticamente nas últimas décadas e este aumento veio associado a casos documentados de consequências negativas para a saúde. Mas, o assunto ainda está sendo discutido pelos especialistas que participam do processo de definição das novas diretrizes.

"Existe um debate se a CID-11 deveria incluir uma categoria de gaming disorder, algo como transtorno por jogos eletrônicos, como parte de um comportamento de jogo persistente ou recorrente caracterizado por um descontrole sobre o jogo, em prejuízo de outras atividades na medida em que o jogo tem precedência sobre outros interesses e atividades diárias, mesmo quando a continuação de jogos implica a ocorrência de consequências negativas. Se a falta de autocontrole em relação a videogames será legitimada como transtornos específico é tema de debate, uma vez que há dúvidas de como definir o conceito", explica o psiquiatra Jair Mari, coordenador dos Estudos de Campo no Brasil para o Desenvolvimento da Classificação dos Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-1.

Segundo Mari, que também é professor da USP, a 11ª revisão da CID é muito mais ampla e reformula a apresentação de vários transtornos, como o obsessivo compulsivo, que deixa a categoria de transtornos neuróticos e passa integrar o conjunto de distúrbios caracterizados por pensamentos e comportamentos repetitivos.

Há também a eliminação dos subtipos da esquizofrenia, além de mudanças na classificação dos transtornos do humor, ansiedade, estresse, alimentares e os relacionados ao uso de substâncias, entre outros.

Gênero

Uma das mudanças mais polêmicas em toda a história da CID foi a inclusão do termo homossexualismo, em 1948, na categoria personalidade patológica. Na década de 1960, o homossexualismo passou a ser considerado como um desvio na categoria de transtornos sexuais e na década de 1970 foi incluído como um transtorno mental.

Em 1990, quando foi feita a última revisão da CID, a OMS retirou a homossexualidade da classificação de doença mental. A data de exclusão do termo homossexualismo como um distúrbio, ou seja, dia 17 de maio, se transformou no Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia.

A CID-11 também deve apresentar uma mudança significativa em relação à sexualidade, desta vez, especificamente em relação ao tema da transexualidade, que será deslocada do rol das doenças mentais – onde figura como transtorno de identidade de gênero – para outra categoria. Na nova CID, a condição da transexualidade poderá ser definida como "incongruência de gênero".

O professor Jair Mari explica que a mudança na definição não impedirá o acesso a possíveis tratamentos, como terapias hormonais ou cirurgias de readequação sexual. Também está sendo proposta uma categoria específica para as crianças com incongruência de gênero.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários