Mudanças no Simples Nacional favorecem micro e pequenos empresários

A principal alteração na tributação diz respeito à receita anual do microempreendedor, que passa de R$ 60 mil para R$ 81 mil

por Encontro Digital 04/01/2018 13:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Segundo o Sebrae, as mudanças recentes no sistema de tributação Simples Nacional devem favorecer os pequenos negócios. Uma das principais alterações está no limite de receita bruta anual do microempreendedor individual (MEI), que passará de R$ 60 mil para R$ 81 mil. Mês a mês, representa um aumento de R$ 5 mil para R$ 6,75 mil reais. "A última alteração que houve no faturamento do MEI foi em 2012 e esse aumento permitirá que os MEI's tenham uma receita bruta maior", comenta Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae, que lembra que as vantagens de ser MEI incluem ter CNPJ, poder emitir nota fiscal, ter máquina de cartão de crédito e cobertura previdenciária.

As mudanças previstas pelo Crescer Sem Medo (Lei Complementar nº 155/2016) não param por aí. O empresário de pequeno negócio deverá ficar atento às alterações no Simples Nacional que passam a valer a partir de janeiro de 2018: o novo limite de receita bruta que vai de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões; a tributação progressiva que permite um aumento gradual da carga tributária; e o fator emprego, que permite uma redução dos impostos para quem emprega mais. "São mudanças que representam verdadeiros avanços para os empresários, estimulam o crescimento, tornam o regime tributário mais justo e facilitam uma transição suave", afirma Afif.

Outros pontos também ganham destaque como os custos tributários para os profissionais que trabalham em parceria com os donos de salão de beleza. "Antes o salão pagava os impostos sobre todo valor que ele recebia e do profissional parceiro. A partir desse ano o dono do salão vai poder separar da receita o que é dele e o que foi passado a título de comissão para os profissionais parceiros e cada um vai pagar imposto sobre a parte que cabe. Isso vai ocasionar uma redução da carga tributária", esclarece o presidente do Sebrae.

(com Agência Sebrae)

Últimas notícias

Comentários