Secretaria de estado de Saúde alerta para a importância da vacinação contra febre amarela

Índice de cobertura vacinal em Minas Gerais está em 81%, mas em algumas cidades fica abaixo de 40%

por Encontro Digital 17/01/2018 15:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FlickrAndré Luiz D. Takahashi/Reprodução
(foto: FlickrAndré Luiz D. Takahashi/Reprodução)
A secretaria de estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) aproveita que já foram confirmados 12 casos de febre amarela em Minas, entre julho de 2017 e o mês de janeiro, para orientar a população sobre a importância da vacinação. Segundo a SES-MG, especialmente o público masculino deve se conscientizar sobre a importância da imunização.

Além de campanhas educativas sobre a necessidade de vacinação, os horários de atendimento das unidades de saúde estão sendo ampliados e, na zona rural, a poulação ainda conta com a possibilidade de receber a vacina em casa – neste caso, apenas em cidades com casos confirmados ou com epizootias (morte de primatas) confirmadas para a febre amarela.

"Os agentes comunitários de saúde têm papel importante na criação do vínculo e nas relações de confiança com a população, pois fazem parte da comunidade e estão diariamente na rotina do município. Eles realizam visitas domiciliares, fazendo o acompanhamento dos cartões de vacina e prestando orientações à população, no intuito de mobilizá-las para as ações de prevenção e controle da doença.  As informações coletadas durante as visitas domiciliares possibilitam, também, que as equipes de Atenção Primária planejem suas ações e adotem as medidas efetivas no enfrentamento à febre amarela", explica Mayla Magalhães, diretora de Políticas de Atenção Primária à Saúde da SES-MG.

Atualmente, Minas Gerais possui uma cobertura vacinal que chega a 81%, índice superior ao registrado em 2016, quando foi de 47%. Apesar do aumento, Rodrigo Said, subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde, lembra que ainda há mais de 3,6 milhões de pessoas não vacinadas no estado. "Temos um grande trabalho pela frente para alcançarmos a cobertura ideal de 95% de pessoas vacinadas. As estatísticas apontam uma cobertura menor entre indivíduos do sexo masculino, entre 15 e 59 anos. Apesar de todos os esforços realizados ao longo de 2017, ainda temos o desafio de aumentar essa cobertura em nosso estado, pois o vazio vacinal é o principal responsável pela ocorrência de casos. É extremamente necessário intensificar a vacinação em todos os municípios, principalmente nas áreas rurais", afirma o representante da SES-MG.

Imunização

Conforme a secretaria, o estado está abastecido com mais de um milhão de doses da vacina, que já faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. O imunizante é indicado para crianças a partir de 9 meses e jovens e adultos com até 59 anos de idade.

As cidades com menor taxa de vacinação são Pouso Alegre, no sul de Minas (66,6%); São João del-Rei, no centro-sul (69,1%); e Ponte Nova, no leste (71%). Ao todo, 342 municípios mineiros que não atingiram a meta vacinal. Alguns estão com a cobertura abaixo dos 40%, como Bias Fortes (34,5%); Aiuruoca (35,8%); Santana do Jacaré (36,8); Pocrane (37,3%); e Formoso (39,9%).

Casos

De junho de 2017 até o momento, foram confirmados 11 casos da doença no estado (Brumadinho, Nova Lima, Carmo da Mata, Mar de Espanha, Barra Longa e Mariana). Destes casos, nove evoluíram para óbito. Cerca de 90% das mortes ocorreram em pessoas do sexo masculino, com idade entre 33 a 51 anos.

(com Agência Minas)

Últimas notícias

Comentários