Vendas dos supermercados cresceram em 2017, segundo representante do setor

Associação Brasileira de Supermercados mostra crescimento de 1,25% nas vendas

por Encontro Digital 29/01/2018 14:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), divulgados nesta segunda, dia 29 de janeiro, mostram que as vendas nos supermercados cresceram 1,25% em 2017 em comparação ao que foi registrado ao longo do ano anterior. Em dezembro, a movimentação do setor registrou alta de 2,55% em relação ao mesmo mês de 2016.

O resultado do faturamento ficou abaixo da projeção da entidade, que estimava uma elevação de 1,5% no faturamento para o ano passado. No entanto, o setor enfrentou, segundo o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, queda nos preços de diversos produtos além do esperado. "Fomos pegos de surpresa com o tamanho da deflação", enfatiza, ao apresentar os dados.

No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, a cesta básica de produtos teve queda de -7,05%, passando de R$ 483,10 para R$ 449,02. A retração nos preços foi puxada, de acordo com a Abras, pelas commodities agrícolas.

Para este ano, a entidade prevê crescimento de 3% para o setor. Na avaliação de Sanzovo, os indicadores dos últimos meses de 2017 já apontam nessa direção. "Tem aumento da confiança do consumidor, dos empresários, a volta dos investimentos e consequentemente a queda do desemprego", ressalta.

Com a melhora do cenário, o presidente da Abras acredita que os consumidores retornaram a hábitos que tiveram que ser deixados de lado no período mais agudo da crise econômica. "Voltar a consumir nas quantidades que consumia, voltar a comprar aquela marca que comprava", diz.

Ainda conforme Sanzovo, os problemas políticos estão interferindo cada vez menos na economia. "Eu acredito que o último semestre do ano passado demostrou que a economia descolou da crise política. Acho que vamos passar as eleições sem grandes turbulências econômicas. As insittuições estão funcionando. Em 2018 nós vamos estar crescendo em um ritmo bom", destaca.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários