Bloco diz que não foi culpado pelo evento que deixou moradores nervosos no bairro Gutierrez

Representante do Me Beija que Eu Sou Pagodeiro diz que a festa na praça Leonardo Gutierrez, dia 12 de janeiro, foi promovida por usuários do Facebook

por Marcelo Fraga 01/02/2018 09:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Google Street View/Reprodução
A praça Leonardo Gutierrez, no bairro Gutierrez, em Belo Horizonte, recebeu uma festa no dia 12 de janeiro que deixou os moradores irritados e que acabou com uma ação da polícia (foto: Google Street View/Reprodução)
O Carnaval em Belo Horizonte mal começou e já está causando polêmica. Pelo menos é o que vem ocorrendo no bairro Gutierrez, que fica na zona oeste da capital mineira. Por lá, os moradores não estão muito felizes com os eventos que costumam atrair multidões para ruas e avenidas da região – no ano passado também houve polêmica envolvendo supostos foliões.

A insatisfação surgiu há quase três semanas, quando, na noite da sexta-feira, dia 12 de janeiro, centenas de pessoas se reuniram na praça Leonardo Gutierrez, a principal do bairro, para uma suposta festa de pré-Carnaval organizada pelo Facebook. O evento popular terminou com uma ação da Polícia Militar, que foi chamada por moradores para ajudar a dispersar os "foliões".

De acordo com Danilo Maia, presidente de uma associação de moradores do Gutierrez, Prado, Grajaú e Barroca, faltou organização na festa realizada na praça mais famosa do bairro tipicamente residencial. "Foi um evento articulado pelas redes sociais e o resultado acabou sendo um grande transtorno causado por carros de som e pelo público enorme, inclusive com menores de idade. Isso gerou uma reação da polícia, com helicópteros e bombas de gás que tiveram o efeito sentido até mesmo por quem mora a metros da praça", esclarece o representante dos moradores. Ainda de acordo com ele, o evento não tinha alvará que autorizava sua realização e nem estrutura para comportar o número de pessoas que estiveram presentes.

Danilo Maia faz questão de ressaltar que não é contra as festas e os blocos de Carnaval, já tradicionais nas ruas do bairro, porém, defende que eles devem ocorrer com o devido planejamento e com o apoio da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), para que não causem problemas aos moradores.

Folia na região

O bloco Me Beija que Eu Sou Pagodeiro, um dos mais conhecidos da cidade e que faz seu desfile na região do Gutierrez, chegou a ser associado ao polêmico evento ocorrido na praça Leonardo Gutierrez. No entanto, segundo o músico Matheus Brant, um dos organizadores do grupo carnavalesco, o nome do bloco foi usado indevidamente pelos moradores que reclamaram da algazarra no início do ano. "Não tivemos absolutamente nada a ver com essa festa. Trata-se de um 'rolezinho' [encontro de jovens] que foi marcado pela internet", argumenta o representante do Me Beija que Eu Sou Pagodeiro.

Matheus Brant esclarece ainda que o desfile oficial do bloco está marcado para o domingo, dia 4 de fevereiro, na Avenida do Contorno, próximo ao colégio Marconi, e que o grupo mantém diálogo com os responsáveis pela administração da capital e com a Polícia Militar, para que os foliões que seguem o Me Beija que Eu Sou Pagodeiro possam se divertir normalmente, sem causar qualquer tipo de prejuízo a quem mora na região.

Últimas notícias

Comentários