Expectativa é que Copom volte a reduzir a Selic

Taxa básica de juros está em seu menor patamar desde dezembro de 2017

por Encontro Digital 06/02/2018 11:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
A partir desta terça, dia 6 de fevereiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) inicia a primeira reunião do ano. A expectativa dos analistas econômicos é que haja uma nova redução da taxa básica de juros, a Selic. Amanhã, dia 7, por volta das 18h20, será divulgada a decisão do Copom.

No menor nível da história desde dezembro, a taxa básica de juros deverá ser reduzida de 7% para 6,75% ao ano, segundo a expectativa de instituições financeiras. Se este patamar for confirmado, será o 11º corte cosnecutivo na taxa Selic.

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano, até então o menor nível da história, e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% em julho de 2015, patamar mantido nos meses seguintes. Somente em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

A expectativa do mercado financeiro é de que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), termine este ano em 3,94%, abaixo do centro da meta, de 4,5%. Para 2019, a previsão é de que a inflação fique um pouco maior, mas ainda abaixo do centro da meta, em 4,25%.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustar a Selic para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, a tendência do Copom é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários