Arqueólogos encontram naufrágios romanos no Egito

Foram encontrados destroços de três navios

por Vinícius Andrade 16/02/2018 08:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/Ministry of Antiquities/Reprodução
Arqueólogos egípcios, com o apoio do Instituto Europeu de Arqueologia Subaquática, descobriram três navios da época do Império Romano, naufragados perto de Abu Qir (foto: Facebook/Ministry of Antiquities/Reprodução)
Arqueólogos egípcios desenterraram recentemente histórias de mais de dois mil anos. O Ministério das Antiguidades do Egito anunciou a descoberta de três naufrágios romanos no fundo da baía de Abu Qir, que fica no delta do rio Nilo, a cerca de 30 km a nordeste da cidade de Alexandria. Os trabalhos de escavação começaram em setembro do ano passado.

Junto aos destroços foram encontrados uma escultura de cabeça em cristal de rocha que representaria o general romano Marco Antônio; três moedas de ouro com a efígie de Augusto, primeiro imperador romano; e uma nave votiva egípcia dedicada ao deus Osíris – que guarda o mundo dos mortos.

Além disso, foram achados destroços de grandes placas de madeira e restos de vasos de cerâmica, que poderiam ter sido parte da carga dos navios. Os artefatos foram localizados em cooperação com o Instituto Europeu de Arqueologia Subaquática, com sede na França. Segundo o diretor do departamento central de Antiguidades Submarinas do Egito, Osama Alnahas, as escavações indicam que, em breve, ainda em Abu Qir será descoberto um quarto navio.

No mesmo local, o arqueólogo francês Franck Goddio encontrou submersas as ruínas da antiga cidade portuária de Heracleion, fundada pelos gregos entre os séculos XII e VIII a.C. O local funcionou durante centenas de anos como o principal porto de entrada e saída do país, até que o rei conquistador Alexandre, O Grande (Alexandre Magno), fundou, em 331 a.C., a cidade vizinha de Alexandria.

O desaparecimento de Heracleion, apelidada de "Atlântida do Egito", foi acelerado por uma série de desastres naturais, entre eles epidemias e fomes, que culminaram no fim da cidade sob as águas do Mediterrâneo por volta do século VIII d.C.
Facebook/Ministry of Antiquities/Reprodução
Entre os objetos encontrados nos naufrágios, destaque para moedas romanas de ouro com a efígie do imperador Adriano (foto: Facebook/Ministry of Antiquities/Reprodução)

Últimas notícias

Comentários