Moreira Franco pede investigação dos preços dos combustíveis nos postos

Ministro acredita que possa existir 'cartel' em todo o país

por Encontro Digital 08/02/2018 17:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Durante coletiva de imprensa que tratou do programa Minha Casa, Minha Vida, em Brasília, nesta quinta, dia 8 de fevereiro, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Wellington Moreira Franco, disse que pediu ao presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto, para investigar os preços praticados pelos postos de combustíveis em todo o Brasil. O ministro está preocupado com uma denúncia de suposta formação de cartel no setor.

Moreira Franco questionou o fato dos postos não reduzirem os preços quando a Petrobras diminui nas refinarias. "O fornecedor é que fixa preço e o consumidor tem direito a escolher um preço mais baixo. O que nós estamos vendo é que quando há queda na Petrobras, ela não se reflete na bomba de gasolina. O consumidor não está sendo beneficiado", coemnta o ministro.

Na primeira semana do ano, a Petrobras reduziu os preços do diesel e da gasolina nas refinarias, respectivamente, em 3,5% e 2%. Em 13 de janeiro, a empresa diminuiu novamente os valores dos dois combustíveis em 0,7%. No dia 18 do mesmo mês, a companhia anunciou nova queda para a gasolina, de 0,5%.

Porém, os consumidores brasileiros não perceberam qualquer alteração nos preços nas bombas de combustível. Ao contrário, estão reclamando de sucessivos aumentos, especialmente da gasolina.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários