Dieta baseada em ovos, carnes e leite pode piorar o câncer de mama

Estudo mostra que o aminoácido presente nesses alimentos induziria a metástase desse tumor

por Correio Braziliense 21/02/2018 16:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Bruno Peres/CB/D.A Press
Estudo mostra que dietas ricas em ovos, carne vermelha, leite, aspargos e peixes pode ser muito ruim para pacientes com câncer de mama (foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)
Pesquisadores do Centro Médico Cedars-Sinai, dos Estados Unidos, e do Centro de Pesquisa de Câncer, do Reino Unido, descobriram que pacientes com tumores malignos devem manter dietas balanceadas, como forma de evitar a progressão da doença. O estudo detectou que uma substância presente em alimentos consumidos diariamente pode fazer a diferença no avanço dos tumores, como o de mama. É o caso da asparagina, encontrada em maior quantidade nos aspargos, na carne vermelha, no peixe, no leite e nos ovos. Portanto, reduzir o consumo desse aminoácido, conforme a pesquisa, que foi publicada na revista Nature, pode evitar a propagação da doença para outras partes do corpo – quando ocorre a chamada metástase.

Os testes foram realziados em roedores. "Nós descobrimos que o aminoácido asparagina está associado à metástase. Quando fornecemos dietas com baixa quantidade de asparagina para as cobaias, ou os tratamos com o medicamento L-Asparaginase, que destroi a asparagina, a metástase foi reduzida", comenta Simon Knott, um dos autores do estudo. A hipótese da equipe é de que, quando o câncer de mama está na fase primária, o consumo de asparagina está fortemente associado à disseminação posterior do tumor.

Para o mastologista Marcelo Bello, diretor do Hospital do Câncer III, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o estudo é inovador ao ajudar na compreensão da disseminação da doença e pode significar uma nova ferramenta para o tratamento desse tipo de cancro. "Buscar o que influencia na disseminação do câncer é fundamental tanto no câncer de mama quanto em qualquer outro. Esse estudo demonstra mais um caminho em que poderemos atuar, além de novas possibilidades terapêuticas", avalia o especialista.

Simon Knott, porém, ressalta que há muito a ser investigado: "Não estamos prontos para declarar que mulheres com câncer de mama deveriam mudar suas dietas alimentares, levando em conta apenas este estudo". Segundo o pesquisador, nos experimentos, o nível de asparagina foi associado à metástase, mas não houve evidência suficiente para se afirmar que uma dieta com baixo nível do aminoácido é beneficial para humanos.

Como a asparagina também é produzida pelo fígado, André Murad, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), acredita que, mesmo se confirmada a associação, seria mais fácil bloqueá-lo por medicamento do que por dieta. "Já existe o remédio, inclusive", justifica. Antes dos novos resultados, porém, o oncologista ressalta a importância de cuidar da dieta para se proteger de cânceres. "É preciso evitar alimentação rica em gordura animal, alimentos industrializados e ricos em gordura trans. Esses são muito prejudiciais, cancerígenos e aumentam a taxa de recaída do tumor", orienta o cientista.

Últimas notícias

Comentários