Sibutramina pode ajudar a emagrecer, mas é um perigo para o coração

Especialista alerta para o uso inadequado da substância que 'ajuda' a eliminar o sobrepeso

por Da redação com assessorias 26/02/2018 10:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Cuidado ao usar a sibutramina para emagrecer. A substância causa inúmeros efeitos colaterais, incluindo problemas cardíacos como hipertensão e taquicardia (foto: Pixabay)
A obesidade é uma verdadeira "epidemia" no mundo. O sobrepeso gera uma série de comorbidades que comprometem a qualidade de vida e a longevidade de um número cada vez maior de pessoas. No entanto, enquanto alguns procuram eliminar o excesso de peso por meio da reeducação alimentar e de exercícios, outros optam por métodos mais rápidos e menos saudáveis, como os remédios para emagrecer. "Embora sejam proibidos na Europa e nos Eestados Unidos, por exemplo, medicamentos como a sibutramina ainda são consumidos em quantidades consideráveis no Brasil, onde, muitas vezes, também são ingeridos sem prescrição médica", revela o cardiologista Abrão Cury, Hospital do Coração de São Paulo.

Segundo o médico, esse cenário é preocupante, já que a sibutramina – um dos medicamentos mais utilizados para emagrecimento, atualmente – pode desencadear, entre outros efeitos colaterais, problemas cardíacos como hipertensão e taquicardia, além de aumentar as chances de infarto. "Isso ocorre porque, ao ser ingerida, essa substância provoca aumento de pressão arterial e elevação da frequência cardíaca. Portanto, portadores de cardiopatias ou descontrole na pressão arterial devem evitar fazer uso de sibutramina. Afinal, o medicamento pode agravar o seu estado de saúde e ocasionar situações de alto risco. Em casos específicos, porém, cardiopatas só podem fazer uso de sibutramina sob supervisão médica", alerta o especialista.

Além de problemas cardíacos, a sibutramina ainda provoca efeitos colaterais como dores de cabeça, boca seca, alterações de humor, insônia, depressão, prisão de ventre, irritação, dependência química e psicológica. "Não é um bom negócio procurar atalhos na hora de tentar emagrecer. O melhor é sempre optar pela maneira tradicional. Ou seja, praticar atividade física com regularidade, manter uma dieta balanceada e abandonar hábitos prejudiciais à saúde como tabagismo e alcoolismo, já que também prejudicam o coração", aconselha Abrão Cury. "Com disciplina e o devido esforço, é possível perder peso de maneira saudável e obter melhor qualidade de vida", completa o cardiologista.

Últimas notícias

Comentários