Especialista esclarece mitos e verdades sobre a cárie

Problema dental é mais comum em crianças, mas também atinge adultos

por Da redação com assessorias 15/02/2018 12:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Muito comum em crianças, a cárie não provoca dor nos estágios iniciais, segundo esclarece a especialista (foto: Pixabay)
A maioria das pessoas deve ter tido alguma cárie al longo da vida. Normalmente, esse problema bucal atinge mais as crianças. Hábitos alimentares, higiene oral inadequada e hereditariedade são alguns dos fatores que aumentam a incidência da doença nos dentes.

Um relatório divulgado pelo governo federal mostra que, em 2013, após análise de 108.921 brasileiros, 27% das crianças de 18 a 36 meses apresentaram pelo menos um dente com cárie e a proporção chegou a quase 60% na faixa de cinco anos. Na dentição permanente, quase 70% das crianças de 12 anos e cerca de 90% dos adolescentes (15 a 19 anos) apresentaram ao menos um dente com o problema.

"As cáries aparecem devido à deterioração do tecido dentário pelo ácido lático produzido por bactérias, o que gera lesões e orifícios nos dentes. Os restos de alimentos que permanecem na boca devido à falta de escovação influenciam diretamente na ação dessas bactérias, que, ao aderirem nos dentes, produzem ácidos e acabam corroendo o esmalte e prejudicando a polpa", explica a dentista Rosane Menezes Faria, da Caixa Seguradora Odonto.

A especialista acrescenta ainda que, se não for tratada, a cárie pode destruir o dente e atingir o nervo e, consequentemente, resultar numa infecção na raiz, que pode levar à perda do dente.

A dentista aproveita para esclarecer alguns mitos e verdades sobre o problema bucal:

Escovar os dentes adequadamente é a melhor prevenção
Verdade. "A escovação deve ser feita sempre após as principais refeições, com escova de cerdas macias, arredondadas e de cabeça pequena, para não traumatizar gengiva, bochecha e língua e ainda facilitar a limpeza dos dentes posteriores", esclarece Rosane Faria. Higienizar a língua e utilizar o fio dental também são fundamentais, pois as bactérias presentes na boca instalam-se na camada dorsal da língua e entre os dentes. O fio dental deve ser usado antes da escovação, em toda a boca.

Uma vez tratada, a cárie não reaparece
Depende. Quando tratada, a cavidade do dente é restaurada. "No entanto, se o indivíduo continuar não cuidando da higienização bucal, poderá surgir nova cárie em torno da antiga que foi removida anteriormente", diz a especialista.

Consumir açúcar demais ajuda na formação da cárie
Verdade. "O que causa cárie é o ácido produzido pelas bactérias da boca. Ao ingerir qualquer tipo de carboidrato refinado, esse processo tem início". O carboidrato está presente em vários alimentos como pão, macarrão, doces e frutas. Quando a higienização é falha, há um acúmulo desses resíduos, que atuam no enfraquecimento do esmalte dos dentes e, consequentemente, no aparecimento da cárie.

Goma de mascar "diet" ajuda a combater o problema
Mito. "A goma de mascar sem açúcar não provoca a cárie, mas também não ajuda a preveni-la", comenta a dentista. Ela lembra que a exposição contínua ao açúcar das gomas pode ser prejudicial.

Quem usa aparelho está mais suscetível às cáries
Depende. "Uma vez que a higiene bucal adequada está diretamente ligada ao aparecimento da cárie, o paciente com aparelho deve redobrar os cuidados com a escovação, pois é mais fácil que os alimentos fiquem presos entre as peças metálicas".

Toda cárie provoca dor
Mito. Nem toda cárie provoca dor. "Em muitos casos, manchas brancas ou pequenas lesões são identificadas durante o exame odontológico sem que o indivíduo tenha se queixado de dor", afirma Rosane. Quando não tratada, a cárie vai se intensificando até atingir o nervo do dente e provocar uma dor bastante incômoda. Neste caso, só o tratamento de canal resolverá o problema.

Dentes sensíveis geralmente têm cárie
Mito. "A sensibilidade nos dentes nada tem a ver com cárie. Ela pode ser provocada pelo desgaste do esmalte, que, inclusive, piora se o indivíduo emprega muita força na escovação", diz a especialista. Ela lembra que a acidez de alimentos e bebidas também resulta em erosão dentária. Outra causa da sensibilidade é a ingestão de determinados medicamentos, bem como a existência de doenças como bulimia e refluxo gastresofágico. "Até mesmo a retração da gengiva pode expor a raiz do dente e torná-lo mais sensível sem que haja cárie".

Últimas notícias

Comentários