Com tombamento do Conjunto JK, seu famoso relógio digital poderá ser retirado

Pedido de proteção dos prédios não inclui o icônico mostrador patrocinado pelo banco Itaú

por Rafael Campos 22/03/2018 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rafael Campos/Encontro
Sabia que o famoso relógio do Conjunto JK, no centro de Belo Horizonte, pode ser retirado, depois da aprovação do tombamento dos prédios projetados por Oscar Niemeyer? (foto: Rafael Campos/Encontro)
O famoso relógio digital que fica na cobertura da torre B do Conjunto JK, no bairro Santo Agostinho, região centro-sul de Belo Horizonte, não foi incluído no pedido de tombamento das edificações projetadas pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer. A decisão foi dada pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do município, que se reuniu na quarta-feira, dia 21 de março.

Se confirmado o pedido de proteção do conjunto, que tem duas portarias, uma na rua Timbiras e outra na rua Guajajaras, o relógio poderá ser retirado, já que sua manutenção não estará garantida pelo patrimônio cultural de BH. Mas, até lá, segundo Yuri Melo Mesquista, diretor de patrimônio cultural e arquivo público da Fundação Municipal de Cultura (FMC), a questão será discutida com a administração do condomínio. Vale dizer que esse marcador de horas é um dos ícones da capital mineira, podendo ser visto de vários pontos da cidade.

Na reunião de quarta (21), o conselho pediu agilidade para que o pedido de proteção do conjunto, que foi encaminhado ao órgão em 2008, seja concluído. "A diretoria de patrimônio fará o estudo para finalizar o processo de tombamento", comenta Yuri, após a análise do documento que sugere o tombamento.

O Conjunto Governador Juscelino Kubitschek, local em que foi instalado o relógio digital juntamente com a propaganda do banco Itaú, foi erguido na década de 1950 depois de esforços do então governador do estado, JK – na década anterior, em parceria com Niemeyer, ele construiu o complexo arquitetônico da Pampulha, hoje Patrimônio Mundial da Humanidade.

O Conjunto JK é formado por dois edifícios que ficam junto à praça Raul Soares: um com 23 andares, porém, bem mais largo, e outro composto por 36 andares, em forma de torre. Cerca de cinco mil moradores residem no ocomplexo que possui aproximadamente 1,1 mil apartamentos nos dois blocos. A reportagem entrou em contato com a administração do Condomínio JK, mas não foi indicado nenhum representante para comentar o assunto.

Últimas notícias

Comentários