Ainda não entregou a declaração do IRPF 2018? Confira algumas dicas importantes

Especialista cita alguns erros que podem levar à temida malha fina

por Marcelo Fraga 23/03/2018 10:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Não tem jeito. Todo início de ano, os brasileiros se deparam com a "dor de cabeça" que é o preenchimento da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). A tarefa de informar à Receita Federal, entre outros dados, os rendimentos, as despesas, e eventuais aquisições e vendas de bens ocorridas durante o ano anterior é motivo de muitas dúvidas para quase todo mundo. Afinal, ninguém quer cometer erros na hora de enviar as informações e cair na temida malha fina – quando o Fisco detecta inconsistências na declaração do IRPF enviada pelo contribuinte.

Para esclarecer as principais questões a respeito do Imposto de Renda de 2018, conversamos com o advogado Geraldo Vieira, diretor do Grupo GV.

Mudanças

Em relação ao ano passado, a Receita fez três mudanças consideradas importantes pelo especialista na declaração de 2018.

A primeira delas diz respeito à inclusão do CPF de dependentes que tenham a partir de 8 anos (anteriormente a idade mínima era 12 anos). A segunda alteração no IRPF 2018 trata da aquisição de imóveis: partir deste ano, é necessário informar endereço, número de matrícula e IPTU deste tipo de bem. Já a terceira mudança aborda as despesas médicas, que, quando ultrapassarem 20% dos rendimentos tributáveis do contribuinte, levarão a declaração direto para a malha fina.

Geraldo Vieira avalia essas mudanças como um alerta para quem pretende "mentir" ou omitir informações. "A ideia da Receita Federal, com essas alterações, é tornar os dados enviados cada vez mais minuciosos. Então, é preciso tomar muito cuidado na hora de fazer a declaração", avalia o especialista.

Tabela não corrigida

Geralmente, a cada ano, a Receita Federal altera a faixa de renda anual que determina se uma pessoa precisa, ou não, fazer a declaração – é a chamada tabela do Imposto de Renda.

Para se ter uma ideia, em 2014 precisava declarar quem havia recebido a partir de R$ 25.661,70 no ano anterior. Este valor foi crescendo gradualmente e chegou a R$ 28.559,70 em 2017, uma variação de quase R$ 3 mil no espaço de quatro anos. Porém, para a declaração de 2018, a tabela do IRPF não foi corrigida pelo Fisco. "Na prática, o valor foi mantido para ampliar a base de contribuintes, ou seja, para que mais pessoas entrem na faixa dos que têm de pagar o imposto", analisa Geraldo Vieira.

Malha fina

O especialista brinca que "a Receita Federal, atualmente, é um BBB [Big Brother Brasil]", fazendo referência ao famoso reality show da TV Globo. Ou seja, na prática, o órgão já sabe, de antemão, boa parte das informações que você ainda vai inserir na declaração. Então, conforme Geraldo Vieira, a dica fundamental é não tentar, de forma alguma, mentir ao informar os ganhos e as despesas.

O advogado lembra que os ficais do Leão, inclusive, buscam informações na internet sobre o contribuinte que causou alguma desconfiança após entregar a declaração do Imposto de Renda. O perfil do contribuinte no Facebook, por exemplo, é muito utilizado para detectar possíveis "ostentações", que podem confirmar uma incompatibilidade com os rendimentos informados no IRPF.

Outra dica importante é procurar os serviços de um profissional de contabilidade de confiança para fazer a declaração, uma vez que ele tem habilidade para informar todos os dados corretamente.

Últimas notícias

Comentários