Corte Interamericana de Direitos Humanos condena Brasil por desrespeito a uma tribo indígena

A decisão diz respeito ao povo indígena Xukuru, de Pernambuco

por Encontro Digital 15/03/2018 17:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
A Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) publicou uma decisão em que considera o Brasil responsável pelo desrespeito a diversos direitos do povo Xukuru, como a não demarcação de suas terras tradicionais; a ausência de proteção legal; e a falta de garantia de um processo judicial em prazos razoáveis.

A CIDH avaliou que o processo de demarcação dos territórios tradicionais na cidade de Pesqueira (PE) está demorando excessivamente e determinou que o governo federal garanta o direito à propriedade dos Xukuru, realizando procedimentos para encerrar o processo, como o pagamento das indenizações e a retirada de fazendeiros e posseiros da área. Outra decisão foi o encerramento dos processos judiciais ajuizados por fazendeiros envolvendo a área.

A corte deu prazo máximo de 18 meses para que as determinações sejam cumpridas. Em um ano o governo federal deverá apresentar um relatório detalhando o andamento das ações adotadas. Além disso, sentenciou o governo a pagar indenização aos Xukuru por dano imaterial no valor de R$ 3,3 milhões.

O povo Xukuru é formado por cerca de 2,2 mil pessoas em 24 comunidades em seu território no estado de Pernambuco, além de outras quatro mil no município de Pesqueira, onde estão as terras cuja demarcação é pleiteada pelos indígenas.

Decisão inédita

"No tempo em que o estado brasileiro demorou para demarcar a terra indígena, na Serra do Ororubá, o povo Xukuru conviveu com assassinatos, ameaças e criminalizações. Nosso direito à terra foi negado pelo estado. As perdas são irreparáveis, mas sentimos que alguma justiça foi feita", comemora o cacique Marcos Xukuru.

Na avaliação do advogado do Conselho Indigenista Missionário, Adelar Cupsinski, que acompanhou o caso, a decisão foi histórica por ter sido a primeira condenação do estado brasileiro em matéria de direitos indígenas.

"Isso vai refletir dentro dos órgãos públicos brasileiros para que cumpram as determinações e acredito que vai impactar positivamente também dentro dos tribunais brasileiros para que comecem a acolher as posições da CIDH", comenta.

Histórico

O processo de demarcação teve início em 1989. Argumentando lentidão no andamento, os indígenas começaram ações de retomada em 1990. Em 1992 um indígena foi assassinado. Em 1995, um advogado da Funai que auxiliava os Xukuru também foi morto. Em 1998, foi a vez do cacique Chicão e, em 2001, do cacique Chico Quelé.

A Agência Brasil procurou a Funai mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários