Henrique Meirelles diz que governo estuda mexer nos preços dos combustíveis

Apesar da autonomia da Petrobras, ministro da Fazenda afirma que existem formas para isso

por Encontro Digital 07/03/2018 12:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Apesar da definição dos preços dos combustíveis ser feito pela Petrobras de froma autônoma e baseada no mercado, o governo brasileiro estuda mudanças na tributação que incide sobre a gasolina, o álcool, o diesel e o gás. Essa possível mudança foi citada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em Nova Iorque, em conversa com jornalistas, antes de participar de café da manhã com líderes empresariais, organizado pelo Council of the Americas, nesta quarta, dia 7 de março.

"A política de preços da Petrobras, e eu deixei isso claro na minha fala, é autônoma, baseada na eficiência corporativa, na realidade do mercado", comenta o ministro, ao ser questionado sobre uma entrevista anterior, concedida à Rádio CBN. Na época, Meirelles informou que o governo estaria discutindo com a Petrobras uma nova política de reajuste dos preços dos combustíveis.

Segundo o ministro, o governo não pretende mudar a forma como a Petrobras define os preços, baseada na cotação internacional. Ele ressalta, entretanto, que "existem diversos fatores que adicionam preço". Ele cita a margem de lucro das distribuidoras, no caso do gás, e afirma que há possibilidade de ação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), mas destaca que o Cade é uma "entidade independente".

"Ainda existe uma tributação grande sobre os combustíveis, e o governo está começando a fazer uma avaliação sobre a necessidade, ou não, de melhora na estrutura de impostos, mas não há prazo para conclusão", acrescenta Henrique Meirelles.

Questionado sobre a oscilação no preço das ações da Petrobras depois da entrevista concedeu à CBN, Meirelles diz que foi uma reação "normal" do mercado, que busca "ganhar" e depois se ajusta.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários