Cientistas acreditam que o Tesla enviado ao espaço pela SpaceX pode 'contaminar' outros planetas

O problema é que o veículo elétrico, provavelmente, não foi esterilizado

por Marcelo Fraga 12/03/2018 11:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/American News/Reprodução
O veículo elétrico da Tesla, lançado ao espaço em fevereiro pela SpaceX, segundo os cientistas, corre o risco de contaminar outros planetas com bactérias terrestres (foto: YouTube/American News/Reprodução)

No dia 6 de fevereiro, a empresa americana SpaceX, de propriedade do visionário empresário sulafricano Elon Musk, enviou ao espaço, a partir da base de lançamento de Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), o foguete Falcon Heavy, considerado o mais potente já construído desde o Saturn 5 – que levou o homem à lua, há 45 anos. Porém, desta vez, o veículo espacial não levava tripulantes, mas sim, um carro elétrico, um conversível vermelho roadster da montadora americana de alta tecnologia Tesla, também de propriedade de Elon Musk. A bordo do veículo sustentável, um boneco vestido de astronauta e batizado de Starman (em homenagem à celebre música lançada pelo cantor britânico David Bowie em 1972). Apesar de curiosa, essa ação pode significar um problema "intergalático", segundo especialistas.

A ideia da SpaceX é que o Tesla chegue à órbita de Marte, daqui a seis meses e permaneceça flutuando no espaço sideral por "centenas de milhões de anos". Apesar do carro ter sido enviado, "simplesmente" como uma carga de teste do foguete Falcon Heavy, ele pode causar o primeiro problema "diplomático" extraterrestre da história. Isso porque, de acordo com cientistas da Universidade de Purdue, do estado de Indiana, nos EUA, o roadster, supostamente, está transportando uma enorme colônia de bactérias terrestres para o espaço, o que representa um risco real de contaminação de outros planetas com micro-organismos nocivos, caso o carro entre em contato com a atmosfera de outros corpos celestes.

Segundo os pesquisadores, o risco existe porque o veículo, provavelmente, não foi esterilizado antes de ser enviado para o espaço. "Pode ser que as nossas bactérias se apoderem de Marte e o contaminem. Mas, também, pode ser que não se adaptem tão bem às condições do Planeta Vermelho e isso não ocorra", comenta o professor Jay Melosh, da Universidade de Purdue, em entrevista para o site americano de notícias climáticas The Weather Channel.

Ainda conforme o texto publicado pelo site na segunda, dia 5 de março, a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) possui um setor chamado Escritório de Proteção Planetária que determina a esterilização de foguetes e ônibus espaciais antes de serem lançados ao espaço. Entretanto, no caso de objetos destinados a ficar em órbita, como é o caso do carro da Tesla, não há essa exigência.

Clima de show

A SpaceX e a Tesla promoveram um verdadeiro espetáculo para o lançamento do foguete Falcon Heavy. Além de reunir centenas de pessoas na base de Cabo Canaveral, o momento do lançamento se deu ao som da canção Space Oddity, de David Bowie, que faleceu em 2016. "Pois aqui estou eu, sentado nesta lata, bem acima do mundo. O planeta Terra é azul e não há nada que eu possa fazer", diz tercho da música escolhida pela empresa do bilionário Elon Musk.

Assista, abaixo, ao vivo, o veículo elétrico "viajando" pelo espaço sideral:

Últimas notícias

Comentários