Arqueólogo afirma que Stonehenge é bem mais velho do que se pensava

Ao menos duas pedras do monumento megalítico são milhares de anos mais antigas que as outras

por João Paulo Martins 11/04/2018 10:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Cientista britânico descobre que duas pedras que formam Stonehenge podem ser milhares de anos mais velhas que o famoso monumento megalítico do Reino Unido (foto: Pixabay)
Um dos mais famosos pontos turísticos do Reino Unido, Stonehenge, sempre esteve envolto em mistério – até hoje, cientistas não descobriram como foi construído ou para que motivo. Agora, o arqueólogo britânico Mike Pitts encontrou evidências de que duas das maiores e mais importantes pedras do monumento megalítico, chamadas de sarsens, podem estar no local há milhões de anos. A informação foi divulgada pelo portal de notícias científicas Science Alert.

Na década de 1970, a estimativa dos pesquisadores era de que os pedregulhos gigantescos de arenito, que pesam várias toneladas, não ocorriam naturalmente na planície de Salisbury, no sul da Grã-Bretanha. Com isso, as pessoas que construíram Stonehenge deveriam ter retirado todas as pedras da região de Marlborough Downs, a 32 km de distância. Mas, porque eles fariam isso, ao invés de erguer o megalito nesse local?

Segundo Mike Pitts, a chamada "heel stone" (pedra 96) e a pedra 16 do monumento pré-histórico britânico podem ser a chave para esse "mistério". Essas duas pedras, ao contrário das restasntes, não foram esculpidas ou moldadas de forma alguma. Ainda assim, quando alinhadas, também marcam o ponto do horizonte do nascimento do Sol no solstício de Verão e do por do Sol no solstício de Inverno.

Com isso, se elas já estavam na região de Stonehenge, alinhadas com um fenômeno astrológico, poderiam indicar que o local já tinha importância para as pessoas que moravam nas proximidades há milhares de anos.

Mais recentemente, surgiram evidências de que sarsens podem ser encontrados nas planícies próximas do monumento megalítico, embora sejam mais escassos e menores do que os encontrados em Marlborough Downs, e com formas diferentes. Essas rochas se formaram há milhões de anos, provavelmente durante o período Terciário (começou há 65,5 milhões de anos), e teriam sido quebradas e desgastadas pelo permafrost (solo coposto por terra, gelo e pedra) de sucessivas eras glaciais.

Isso apoia a hipótese de Pitts e poderia, finalmente, ajudar a colocar um ponto final no mistério da localização de Stonehenge. "A datação por carbono pode revelar mais características rituais do monumento neolítico. Por enquanto, as duas maiores rochas naturais da planície, alinhadas com o solstício de Verão e o Sol do Inverno, fazem com que o local seja único. Tudo indica que Stonehenge não surgiu em 3.000 a.C., mas foi crescendo ao longo do tempo", comenta o arqueólogo britânico.

Últimas notícias

Comentários