Segundo pesquisadora, bonecas sexuais podem ajudar casamentos em crise

Os robôs eróticos seriam uma 'válvula de escape' para as pressões dos relacionamentos conjugais

por João Paulo Martins 20/04/2018 10:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Atualmente, podemos encontrar inúmeras matérias na internet sobre bonecas sexuais, que estão cada vez mais modernas, utilizando o que há de melhor na robótica – algumas possuem até sensores e aquecimento na pele artificial. Agora, uma cientista propõem que esses robôs eróticos podem ser uma ótima opção para casamentos que estão em crise.

Segundo a professora Marina Adshade, da Universidade de Colúmbia Britânica, no Canadá, essas máquinas de tecnologia avançada, que reproduzem a natureza humana, podem ser um suporte significativo para melhorar relações monogâmicas e satisfazer as exigências mútuas dos casais na sociedade moderna.

A pesquisadora publicou o Sexo Robótico: Implicações Sociais e Éticas, que foi divulgado pelo jornal canadense The Vancouver Sun.

"Encontrar alguém que seja um bom pai ou mãe para seus filhos" e, ao mesmo tempo, "que satisfaça suas necessidades sexuais", é uma tarefa nada fácil, reconhece Adshade. Além disso, a professora e escritora acredita que libertar o parceiro das exigências eróticas "permite dar enfoque a outros aspectos" do relacionamento.

Sendo assim, humanoides seriam alternativas para manter a família "estável". Além do mais, acrescenta Marina Adshade, as pessoas não teriam que se preocupar com a chamada "química do casal".

Apesar dessa análise, a autora canadense não acredita que os "amigos sexuais" robóticos possam satisfazer todos os desejos humanos por completo. Na verdade, as bonecas eróticas seriam uma espécie de complemento para os relacionamentos amorosos.

Na sociedade contemporânea, as pessoas "querem poder determinar o carácter de seu próprio casamento", conclui a autora, adicionando que "os robôs sexuais definitivamente contribuirão para esse fenômeno".

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários