Brasil voltará a ter uma presidente mulher na sexta, dia 13 de abril

Viagem de Michel Temer fará da ministra Cármen Lúcia, do STF, a presidente interina do país

por Encontro Digital 10/04/2018 08:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
STF/Divulgação
(foto: STF/Divulgação)
A mineira Cármen Lúcia, de Montes Claros, ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), assumirá a presidência da república por algumas horas, a partir da próxima sexta-feira, dia 13 de abril. Isso vai acontecer porque o presidente Michel Temer viajará para o Peru, onde participará da Cúpula das Américas. Cármen Lúcia assume o comando do país assim que Temer deixar o espaço aéreo brasileiro, na sexta-feira (13). O presidente retorna no dia seguinte.

Apesar de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, e Eunício Oliveira, presidente do Senado, aparecem na frente de Cármen Lúcia na linha sucessória, eles se tornariam inelegíveis nas Eleições 2018, caso decidissem assumir o posto de Michel Temer. Com isso, ambos deixarão o país no mesmo período. Eunício fará uma viagem previamente marcada ao Japão e Maia visitará o Panamá para participar de um evento.

Não é a primeira vez que um presidente do STF assume interinamente a presidência da república. Em setembro de 2014, Ricardo Lewandowski foi presidente por dois dias, quando a exntão presidente Dilma Rousseff e seu vice, Michel Temer, estavam em agendas fora do país.

Em 2002, foi a vez do ministro Marco Aurélio Mello ficar à frente do Palácio do Planalto, em virtude de uma viagem de Fernando Henrique Cardoso à Europa. Na ocasião, o vice-presidente também estava fora do país e os presidentes da Câmara e do Senado acompanharam FHC em sua viagem.

Os outros ministros do STF que já assumiram interinamente a cadeira de presidente da república foram José Linhares, que assumiu, com a deposição de Getúlio Vargas, de 30 de outubro de 1945 a 31 de janeiro de 1946; José Carlos Moreira Alves, em 1986; e Octávio Gallotti, em agosto de 1994.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários