Fiocruz passará a produzir remédios contra hepatite C e HIV para o SUS

Farmanguinhos produzirá as substâncias simeprevir, daclastavir, sofosbuvir, everolimo, emtricitabina e tenofovir

por Encontro Digital 19/04/2018 10:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), vinculado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), firmou parcerias para produzir medicamentos contra a hepatite C e contra o vírus HIV. A fabricação nacional desses produtos, considerados estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS), deverá ainda gerar economia para os cofres públicos, uma vez que, atualmente, o Brasil precisa adquiri-los no exterior.

Segundo Jorge Mendonça, diretor de Farmanguinhos, essas parcerias fazem parte de uma política que busca fortalecer a produção nacional e absorver tecnologia para dentro do país. Ele continua, comentando que a iniciativa permitirá também aumentar o acesso da população ao tratamento e à prevenção de doenças.

"O alto custo dos medicamentos pode levar a um problema de abastecimento, e a importância de um laboratório público é justamente esta: fornecer sustentabilidade para o SUS, reduzindo o preço e mantendo a qualidade dos produtos. Estamos propondo um economia média, em cada medicamento, de algo em torno de 40% a 60% do valor atual. Ou seja, o governo gastaria aproximadamente 50% menos do que hoje com esses produtos", diz o diretor.

Três dos medicamentos que serão desenvolvidos são antivirais voltados para o combate à hepatite C: simeprevir, daclastavir e sofosbuvir. Este último vem contribuindo para a cura de muitos pacientes e reduzindo a demanda pelo transplante de fígado. "O sofosbuvir é um medicamento que vem revolucionando o tratamento da hepatite C e substituindo alguns produtos antigos", afirma Mendonça.

Farmanguinhos também produzirá o imunossupressor everolimo, usado para evitar a rejeição de órgãos transplantados e considerado essencial em diversos casos. Em novembro do ano passado, um levantamento da Associação Brasileira de Transplantados mostrou que, em sete estados, havia falta de um dos três remédios mais usados após transplantes, entre eles o everolimo.

PrEP

O quinto medicamento que será produzido pela Fiocruz é a pílula antirretroviral baseada nas substâncias emtricitabina e tenofovir. Difundido no mercado sob a marca Truvada, da empresa norte-americana Gilead, o remédio é usado na profilaxia pré-exposição (PrEP) ao vírus HIV. O Brasil foi pioneiro na América Latina ao adotá-lo como política de saúde, com sua distribuição para grupos específicos considerados chave para o combate à Aids a cargo do SUS. Nesses grupos, estão homens que fazem sexo com homens, gays, pessoas trans, profissionais do sexo e casais em que um membro é soropositivo e o outro, não.

A prescrição e o uso das pílulas, que deve ocorrer diariamente, depende de acompanhamento médico. Especialistas alertam que o método deve ser usado em combinação com outras medidas e que os usuários da PrEP não devem abrir mão do uso de preservativos.

A expectativa é que, já no segundo semestre deste ano, a produção nacional do sofosbuvir, do everolimo e da pílula da PrEP seja distribuída pelo SUS. O simeprevir e daclastavir devem estar disponíveis no ano que vem.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários