Publicidade

Estado de Minas POLíTICA

Mesmo preso, Lula lidera intenções de voto, segundo Datafolha

O ex-presidente petista tem 31% das intenções, seguido por Jair Bolsonaro, com 15%


postado em 16/04/2018 11:54 / atualizado em 16/04/2018 12:14

No domingo, dia 15 de abril, o Instituto Datafolha divulgou uma pesquisa sobre as intenções de votos nas eleições presidenciais deste ano, no Brasil, comparando diferentes cenários e analisando a chance de os candidatos chegarem ao segundo turno. Pelos dados, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, mesmo preso na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba, (PR), devido à condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP), lidera com 31% das intenções de voto. Ele é seguido pelo deputado federal Jair Bolsonaro, do PSL, com 15% e pela ex-ministra Marina Silva, da Rede, com 10%.

Em quarto lugar, aparece o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o mineiro Joaquim Barbosa, do PSB com 8%.

O ex-governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, conta com  6% das intenções de votos, em seguida vêm o ex-ministro Ciro Gomes, do PDT, com 5%, e o senador Álvaro Dias, do Podemos, com 3%.

A pesquisa foi realizada em 227 municípios brasileiros. O Datafolha ouviu mais de quatro mil pessoas entre os dias 11 e 13 de abril e a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Dentre as hipóteses analisadas pelo instituto, a maior mudança de cenário ocorre quando o ex-presidente Lula não está entre os candidatos à presidência da república.

Preso desde o dia 7 de abril, após ser condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a uma pena de 12 anos e um mês, Lula pode não ser elegível, pois a Lei da Ficha Limpa prevê a impugnação de políticos condenados em segunda instância.

Nos cenários em que Lula não concorreria ao pleito de outubro, Jair Bolsonaro aparece com 17% das intenções, empatado tecnicamente com Marina Silva, com 15%.

(com Radioagência Nacional)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade