Ambulante vende carro para comprar figurinhas da Copa do Mundo

O vendedor carioca gastou R$ 14 mil em cromos e diz que já está tendo lucro

por João Paulo Martins 22/05/2018 10:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Twitter/jornalextra/Reprodução
Um vendedor ambulante do Rio de Janeiro vendeu seu Corsa 2007 para comprar e negociar figurinhas da Copa do Mundo da Rússia (foto: Twitter/jornalextra/Reprodução)

Apesar de faltar menos de 30 dias para o início da Copa do Mundo da Rússia de 2018 (de 14 de junho a 15 de julho), muitas crianças e adultos ainda estão aficcionados com as figurinhas do álbum oficial do Mundial da Fifa. Lançado pela Panini, alguns cromos, especialmente os "brilhantes", costumam ser bastante procurados e valorizados. Um exemplo é a figurinha do ex-craque brasileiro Pelé, tricampeão mundial pela Seleção Brasileira, que consta da seção Legends (Lendas, em tradução livre) do álbum. Algumas pessoas trocam até 20 cromos pela imagem do "rei do futebol".

Essa paixão pelos adesivos ligados ao Mundial gera situações inusitadas. É o caso de um ambulante do Rio de Janeiro que vendeu um Corsa Classic 2007 por R$ 14 mil para comprar cromos – cada envelope custa R$ 2 e vem com cinco figurinhas, portanto, ele conseguiu adqurir sete mil pacotes. Segundo matéria publicada no jornal carioca Extra, o rapaz, que não teve o nome revelado (por ser um comerciante ilegal), trabalha na rua Uruguaiana, no centro do Rio, tradicional ponto de troca de figurinhas.

Aesar de parecer loucura vender um automóvel para adquirir cromos da Copa do Mundo, o negociante carioca, conforme mostra o periódico, já recuperou o valor do Corsa, comprou uma moto e, agora, está lucrando com o "negócio" que agita os brasileiros a cada quatro anos. "Já recuperei o dinheiro, comprei uma moto e estou ganhando lucro. Toda Copa eu faço isso, mas é um investimento de risco", comenta o ambulante ao Extra.

Ele está seguindo os passos do pai, que também era comerciante de rua. "Trabalho nesse ramo desde os 9 anos de idade. Comecei na Copa de 2002 [realizada na Coreia e no Japão e vencida pelo Brasil]. Pode dar bom [sic] ou não. Já teve Copa que foi muito fraca. Mas, a maioria das Copas dá lucro", diz o rapaz.

Para quem pretende completar o álbum da Copa da Rússia, vale prestar atenção numa simulação realizada pelo economista Samy Dana, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV). Ele calculou quantos cromos seriam necessários adquirir: os sortudos, que tiram poucas figurinhas repetidas, precisariam comprar 574 pacotinhos, gastando R$ 1.148; o colecionador médio compra 969 pacotinhos e gasta R$ 1.938; e o mais azarado, que tira muitos cromos repetidos, precisa de 2.677 pacotinhos e R$ 5.354.

Em BH

Para os colecionadores belo-horizontinos que são apaixonados pelas figurinhas da Copa da Fifa, uma boa opção é visitar o parque Jornalista Eduardo Couri, mais conhecido como barragem Santa Lúcia, que fica na região sul de Belo Horizonte. Logo ao lado da avenida Arthur Bernardes, a banca de revistas República do Líbano possui o chamado Clubinho da Troca.

Quem coordena o "troca-troca" de cromos é a empresária Jacqueline Alves, que herdou a "missão" do pai, João Batista Pereira, em 2008. É só começar o Campeonato Brasileiro ou se aproximar da Copa do Mundo, que os colecionadores de álbuns de todas as idades e de várias regiões da cidade se reúnem no local para trocar figurinhas.

Últimas notícias

Comentários