Buldogues franceses seriam propensos a várias doenças, segundo novo estudo

A raça que surgiu em Paris é fofa mas 'carregada' de problemas

por João Paulo Martins 03/05/2018 14:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Sully&Stuff/Reprodução
Apesar da aparência fofa do buldogue francês, a raça, que se popularizou no Brasil e em várias partes do mundo, é suscetível a vários problemas de saúde, segundo estudo britânico (foto: YouTube/Sully&Stuff/Reprodução)
Buldogues franceses estão conquistando muitos brasileiros com seus rostos enrugados e orelhas grandes. Mas, apesar de fofa, essa raça, que surgiu em 1880 na cidade de Paris (França), é associdada a uma série de problemas de saúde, de acordo com um  estudo publicado na quarta, dia 2 de maio, na revista científica Canine Genetics and Epidemiology.

Pesquisadores da Faculdade Real de Veterinária do Reino Unido analisaram dados de mais de 2,2 mil buldogues franceses que receberam atendimento médico em mais de 300 clínicas veterinárias britânicas no ano de 2013. Os problemas mais comuns verificados nesse período foram infecções nos ouvidos, diarreia e conjuntivite (inflamação da superfície do olho). Outras condições incluíam problemas respiratórios (afetava quase 13% dos cães), que podem ser causados pelo focinho curto, e infecções na pele, provavelmente decorrentes das pregas cutâneas.

"Nosso estudo fornece aos proprietários informações sobre os problemas que eles podem esperar e devem procurar em buldogues franceses", comenta o pesquisador Dan O'Neill, principal autor do estudo, em comunicado enviado à imprensa. "Também pode ajudar donos em potencial a decidir se um buldogue francês é realmente a melhor opção para eles", completa o professor da Faculdade Real de Veterinária.

Além dos problemas associados ao cãozinho, a pesquisa britânica descobriu ainda que os pets do sexo masculino seriam menos saudáveis do que as fêmeas. "Os machos tinham mais probabilidade de sofrer com oito dos 26 problemas de saúde mais comuns", afirma O'Neill.

Últimas notícias

Comentários