Junho terá aumento da conta de luz em Minas e bandeira amarela

Aneel deve manter o patamar que adiciona R$ 1 a cada 100 kWh consumidos

por Encontro Digital 22/05/2018 17:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Além do aumento de 23,19% na conta de energia para os 8,3 milhões de clientes da Cemig, em Minas Gerais, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informa que a bandeira tarifária que vai vigorar no mês de junho continuará sendo a de patamar amarelo, a mesma adotada em maio. A manutenção dessa bandeira implica no adicional de R$ 1 para cada 100 kilowatts-hora (kWh) de energia consumidos.

De acordo com Romeu Rufino, diretor-geral da Aneel, não houve alterações relevantes nas condições que levaram a agência a adotar a bandeira amarela em maio e que poderia apontar para um retorno à bandeira verde em junho. "Nada aponta na direção de voltar para a bandeira verde. Então, a amarela é a mais provável", afirma Rufino.

O diretor da Aneel observa ainda que, como há outras variáveis para a definição do mecanismo, a cor da bandeira só será confirmada na sexta-feira, dia 25 de maio, quando será divulgada oficialmente a bandeira tarifária de junho.

O patamar amarelo nas contas de luz está em vigor desde o início de maio. Nos quatro primeiros meses do ano, vigorou a bandeira verde, em que não há cobrança adicional para os brasileiros.

Consumo

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. A adoção de cada bandeira (verde, amarela ou vermelha) está relacionada aos custos da geração de energia elétrica.

Com a adoção da bandeira amarela, a Aneel aconselha os consumidores a adotar hábitos que contribuam para a economia de energia, como tomar banhos mais curtos utilizando o chuveiro elétrico, não deixar a porta da geladeira aberta e não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado, entre outros.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários