Michel Temer completa dois anos como presidente

Relembre os principais fatos que marcaram o governo do ex-vice de Dilma Rousseff

por Encontro Digital 15/05/2018 09:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Agência Brasil/Divulgação
(foto: Agência Brasil/Divulgação)
Em 12 de maio de 2016, o então vice-presidente Michel Temer assumiu o principal posto político do Brasil com o afastamento (impeachment) da então presidente Dilma Rousseff. Em dois anos de governo, o peemedebista se concentrou na recuperação da economia do país: redução da taxa de juros, queda da inflação e equilíbrio das contas públicas.

De junho 2016 a março de 2018, a taxa básica de juros da economia, a Selic, saiu de 14,25% ao ano para apenas 6,50%, de acordo com dados do Banco Central (BC). No mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial no país, caiu de 9,32% para 2,76% em 12 meses.

Paralelamente à redução dos juros e à queda da inflação, o governo conseguiu aprovar, em dezembro de 2016 no Senado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Teto de Gastos. Por 20 anos, ficará limitado o crescimento das despesas dos três poderes.

Pela proposta, o governo federal, o Congresso Nacional e órgãos do Ministério Público e do judiciário ficam limitados a gastar em um ano o mesmo valor aplicado no ano anterior acrescido da correção pela inflação. Não entram nessa obrigação a despesa com o pagamento de juros da dívida pública. O índice usado para medir a inflação é o IPCA. Se o limite for descumprido, o órgão fica proibido de aumentar salários, contratar pessoal, fazer concursos e ter novas despesas até se adequar.

Em entrevista à Agência Brasil no início de maio, o presidente Michel Temer apontou a medida como parte de um esforço para equilíbrio das contas públicas. "Se relacionarmos a reforma do teto dos gastos foi parte de uma fórmula trivial. Não se pode gastar mais do que se arrecada. É o caso de uma família. Você não pode gastar mais do que aquilo que ganha. Ninguém ousou fazer isso ao longo do tempo. Ao fazê-lo, nós fizemos de uma maneira inteiramente responsável", comenta Temer.

Impactos

Para Zeina Latiff, economista-chefe da XP investimentos, a PEC do Teto de Gastos reforçou o compromisso com o ajuste fiscal, necessário no momento de crise pelo qual o país vem atravessando. "Ela vai forçar a classe política a discutir políticas públicas e garantir este compromisso com o equilíbrio fiscal. Quando o país está com problemas fiscais e sem perspectivas de ajuste, a PEC ajuda a estabelecer este rigor", diz Latiff.

Já na opinião de Eblin Farage, presidente do Sindicato Nacional dos Docentes de Ensino Superior, a mudança teve impactos prejudiciais no orçamento de diversas políticas públicas, como a educação. "A emenda nivela por baixo sem enxergar nenhuma especificidade da educação. Ao estabelecer o teto, impõe cortes. De um ano para o outro, tudo aumenta. E os gastos para sustentar uma universidade também", reclama.

Nos próximos meses, o desafio do governo está na ampliação da contratação de trabalhadores com carteira assinada. Pelos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no primeiro trimestre deste ano, 13,1 milhões de pessoas estavam desempregadas no país.

Reformas

Aprovada em julho de 2017, a reforma trabalhista, também considerada importante pelo governo, alterou mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Entre as principais mudanças, destaque para a prevalência de convenções e acordos coletivos sobre leis em diversos aspectos; a flexibilização da jornada e do regime de trabalho; e a alteração dos processos judiciais.

A proposta dividiu opiniões e colocou em lados opostos patrões e empregados, assim como entidades sindicais.

Na avaliação de José Ricardo Roriz, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a reforma foi um avanço. "Foi positiva não somente pela modernização da legislação brasileira, mas também pelo fato que você tira do estado a intermediação entre a negociação entre trabalhador e empregador. Toda a indústria vê isso de uma maneira muito positiva", comenta o representante da Fiesp.

Para as organizações sindicais, a reforma está associada ao retrocesso. "A defesa principal da reforma era que ela seria importante para diminuir encargos sociais e aumentar empregos. Aumentou o desemprego no país e as vagas criadas em boa parte são intermitentes [por hora]", afirma Graça Costa, secretária de Relações de Trabalho da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Para o governo, a Reforma da Previdência, embora ainda não votada no Congresso, é constante na pauta política. Segundo o presidente Michel Temer, o assunto será obrigatório na campanha eleitoral em todos os níveis – nas disputas para presidente da república, governador e parlamentares em geral. À Agência Brasil, Temer ressaltou que há déficit no país de cerca de R$ 180 bilhões, impossibilitando o controle por muito tempo.

Porém, o debate sobre o tema não é consensual. "A reforma não deve se basear na retirada de direitos ou para privatizar a Previdência, mas para mexer em privilégios, como os do judiciário", diz João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical.

Essas reformas impactaram na relação do governo com o Congresso e também na avaliação da sociedade. Para o deputado federal Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo na Câmara, a gestão Temer enfrentou corretamente a crise em que o Brasil.

"Acho que fizemos uma grande mudança na visão de construção do país. A PEC do Teto dos Gastos é mudança de paradigma do serviço público brasileiro. Também há questões que são conhecidas, como a redução da inflação e o crescimento econômico", comenta Mansur.

A oposição critica as propostas por considerá-las sem retorno para sociedade e economia. "O governo comemora queda da inflação com perda da capacidade de consumo. Mas temos perda da atividade econômica porque pessoas não têm dinheiro", afirma o deputado Paulo Pimenta (RS), líder do PT na Câmara.

Investigação

Nesses dois anos de mandato presidencial, Temer foi denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por envolvimento em desvios de recursos da Petrobras e obstrução da justiça. A Câmara dos Deputados não autorizou a investigação pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A Polícia Federal (PF) também investiga se a empresa Rodrimar foi favorecida pelo chamado Decreto dos Portos, assinado pelo presidente. Além de Temer, são investigados no mesmo inquérito o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) e os empresários Antonio Celso Grecco e Ricardo Mesquita. O presidente nega as suspeitas.

Em abril deste ano, Michel Temer fez um pronunciamento e aproveitou para repudiar as denúncias.

À Agência Brasil, o presidente criticou as denúncias e descartou uma eventual terceira investigação. "As duas denúncias [apresentadas em 2017] eram pífias. Tão pífias que o Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados não teve a menor dúvida em rejeitá-las. Rejeitá-las não, impedir que elas prosperassem. Essa suposta terceira denúncia é uma campanha, oposicionista".

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários