Vídeo que mostra diferença entre pulmão sadio e de fumante chama a atenção no Facebook

As imagens alertam para a perda da capacidade pulmonar causada pelo cigarro

por João Paulo Martins 02/05/2018 10:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/amanda.orr.56/Reprodução
O vídeo divulgado pela enfermeira americana Amanda Eller, e que está fazendo sucesso no Facebook, alerta para a perda da capacidade pulmonar causada pelo cigarro (foto: Facebook/amanda.orr.56/Reprodução)
Um vídeo divulgado pela enfermeira americana Amanda Eller, do estado da Carolina do Norte, está fazendo sucesso nas redes sociais. Publicada originalmente no Facebook, a gravação, que mostra a diferença no funcionamento de um pulmão sadio e de um retirado de uma pessoa que fumou um maço de cigarro por dia durante 20 anos, já conta com mais de 500 mil visualizações e cinco mil curtidas.

Assista, abaixo, ao vídeo, em inglês, que está chamando a atenção dos internautas:


A enfermeira demonstra nas imagens que a capacidade de manter o ar dentro do órgão é bastante reduzida na pessoa que fuma há tanto tempo. Por isso vemos que fumantes sofrem para fazer exercícios físicos – devido à menor capacidade pulmonar. Além disso, Amanda Eller lembra que, assim que você acende o cigarro, ele começa a afetar o organismo, especialmente devido às propriedades nefastas da nicotina e do monóxido de carbono – ao todo, são quatro mil substâncias tóxicas. O tabagismo também reduz substancialmente a quantidade de oxigênio que chega até a pele.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil deve registrar 31.270 novos casos de câncer no pulmão em 2018, sendo que a maioria deles é provocada pelo fumo. Além desse tipo de tumor, o tabaco está ligado a outras 50 condições graves de saúde.

De acordo com o Serviço Nacional de Saúde (National Health Service ou NHS) do Reino Unido, "a boa notícia é que, quando você para de fumar, sua saúde melhora e seu corpo começa a se recuperar imediatamente".

Abaixo, o NHS aponta os principais problemas causados pelo cigarro:

Veias
Fumar torna o sangue mais espesso, aumentando a chance de formação de coágulos. As artérias ficam estreitas, o que significa que há mais chances de sofrer um ataque cardíaco ou um derrame.

Coração
O monóxido de carbono e a nicotina pressionam o coração, fazendo com que ele trabalhe mais. Outros produtos químicos presentes na fumaça atacam as artérias. Fumar dobra o risco de ataque cardíaco.

Pele
O fumo do cigarro reduz a quantidade de oxigénio que chega à pele, o que causa envelhecimento precoce (de 10 a 20 anos de antecipação). Fumar também deixa a tez amarelada.

Ossos
O cigarro pode fazer com que os ossos se tornem fracos e frágeis – o que é particularmente perigoso para as mulheres, as principais vítimas da osteoporose.

Fertilidade
O hábito de fumar pode ter efeitos devastadores sobre a fertilidade feminina – fumantes chegam a ter três menos chances de engravidar num período de um ano. A estimativa é de que a fertilidade de mulheres fumantes é 28% menor em comparação com as que não fumam.

Gravidez
O tabagismo associado à gravidez pode levar a natimortos e aborto espontâneo – também pode causar nascimentos prematuros. Ter uma mãe que fuma aumenta o risco de "morte do berço" em até 25%.

Cérebro
Fumar é tão viciante quanto usar heroína, mas os efeitos nefastos no cérebro são ainda maiores. Ao acender o cigarro, é dobrado o risco de sofrer um derrame, que pode causar danos cerebrais irreversíveis e até morte.

Pulmões
O tabagismo causa 84% das mortes por câncer de pulmão – mas os fumantes também sofrem de tosse, resfriado, chiado e asma, além de doenças fatais, como pneumonia e enfisema.

Impotência
O NHS afirma que o tabagismo é um fator de risco para a impotência. Fumar danifica os vasos sanguíneos que fornecem sangue ao pênis – e também danifica os espermatozóides e reduz a contagem dos gametas masculinos.

Estômago
Fumar enfraquece o músculo que controla a garganta inferior – permitindo que o ácido volte, causando o temido refluxo. Também aumenta o risco de câncer de estômago.

Últimas notícias

Comentários