Zoológico de Belo Horizonte quer ajuda para escolher o nome de dois filhotes

População poderá votar em três opções de nomes para um hipopótamo e um lobo-guará

por Encontro Digital 16/05/2018 11:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Flickr/PBH/Suziane Fonseca/Reprodução
Em breve, será possível votar e ajudar na escolha dos nomes dos filhotes de hipopótamo e de lobo-guará do zoológico de Belo Horizonte (foto: Flickr/PBH/Suziane Fonseca/Reprodução)
A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB), está convidando os belo-horizontinos a participarem da escolha de nomes para os dois filhotes nascidos recentemente no zoológico da capital mineira. A escolha dos prováveis nomes para os filhotes de hipopótamo e de lobo-guará também conta com a ajuda dos estudantes da rede municipal de ensino e de funcionários do zoo.

Ao longo dos meses de abril e maio, com base no conteúdo trabalhado em sala de aula, cada uma das nove regionais da secretaria municipal de Educação apresentou uma sugestão de nome à FPMZB, responsável pelo zoológico. Com alguns nomes sendo escolhidos por mais de uma regional, foram então definidas sete opções para o filhote de hipopótamo e oito para o de lobo-guará. Desta lista, funcionários do zoo escolheram, em uma votação interna, realizada no dia 10 de maio, três nomes para cada espécie.

Do total dos 151 votos computados para cada espécie, os nomes mais votados para a pequena hipopótamo foram Aisha (1º lugar), que significa "vida"; Anaya (2º), que significa "olhar de Deus"; e Odara (3º), que significa "beleza/bela". Já o lobo-guará teve como mais votados os nomes Akin (1º), que significa guerreiro, valente";  Yuki (2º), que significa "felicidade'; e Porã (3º), que significa "alegria".

Agora, as três opções de nomes para cada espécie de animal serão colocadas em votação popular, pela internet, para que, no dia 5 de junho, sejam finalmente conhecidos os nomes dos filhotinhos.

Sobre as espécies:

Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus)
Esta espécie de lobo é típica da fauna silvestre brasileira. Ela consta na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção. É um animal de hábitos solitários (unem-se somente na época de acasalamento) e noturnos, o que, por vezes, dificulta que o visitante do zoológico o veja circulando pelo recinto. Sua alimentação é onívora na natureza, alimentando-se de frutos e pequenos animais. No zoo, é tratado com uma mistura de frutas, legumes, ração e carnes (frango moído e coração de boi). É considerado o maior canídeo da América do Sul. O período máximo de vida registrado sob cuidados humanos chegou a 16 anos e meio. O macho desempenha um papel importante no cuidado com os filhotes, defendendo-os de qualquer ameaça e, inclusive, oferecendo-lhes comida regurgitada.

Hipopótamo (Hippopotamus amphibius)
O hipopótamo é uma espécie animal de origem africana e, portanto, exótica, ou seja, não ocorre naturalmente em nosso país. Também está ameaçada de extinção. A espécie possui hábitos crepusculares e noturnos: passa praticamente todo o dia dormindo ou descansando na água ou próximo dela, que serve para manter a temperatura do corpo baixa e impedir o ressecamento da pele. No fim da tarde e à noite sai para se alimentar, podendo percorrer distâncias de até 40 km. É um dos maiores mamíferos terrestres. Chega a medir quatro metros de comprimento e 1,5 m de altura (ombro). Pode pesar até 4,5 toneladas. Sua expectativa de vida na natureza chega aos 40 anos – em zoológicos vivem até os 50 anos. Na natureza, alimentam-se de gramíneas, folhas, ramos de arbustos, bulbos, rizomas e plantas semiaquáticas. Já no zoo de BH, a dieta é composta de capim, alfafa peletizada e ração para cavalo, sendo esta fornecida duas vezes ao dia, manhã e tarde. Um dado curioso e que o hipopótamo possui glândulas na pele que excretam, sob a forma de "suor avermelhado", uma substância que o protege contra queimaduras dos raios solares diretos. Extremamente territorialistas, os animais podem oferecer riscos a quem ousar se aproximar deles. Neste sentido, são considerados os mais agressivos do mundo.

(com assessoria de comunicação da PBH)

Últimas notícias

Comentários